Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Menino de 4 anos morre após ter pescoço cortado por linha de pipa

Foto: reprodução
Postado em: 03/06/2020

Compartilhe esta notícia:

Alfredo Henrique, FOLHAPRESS


Um menino de 4 anos morreu após ter o pescoço cortado por uma linha de pipa, por volta das 14h10 deste domingo (31), quando a criança brincava em frente à sua casa, no bairro Cidade Tiradentes (zona leste da capital paulista).


A tia de Lucas Vinícius Souza da Silva, uma vendedora de 42 anos, afirmou à polícia que o garoto andava de bicicleta na rua Três Irmãos, enquanto o pai dele lavava o carro na garagem de casa. A criança ganhou a bike, de presente de aniversário, em 29 de setembro do ano passado.


A tia ainda afirmou à polícia que, em dado momento, a criança foi atingida na região do pescoço por uma linha de pipa com cerol (mistura de cola e cacos de vidro). Não foi informado se a linha estava presa a algum objeto, como poste, ou se era utilizada por alguma pessoa empinando pipa na região. As circunstâncias em que a criança foi ferida são investigadas pela polícia.


Com o pescoço cortado, Lucas foi levado às pressas por familiares até o hospital municipal de Cidade TIradentes, onde chegou com parada cardiorrespiratório, segundo guia médica apresentada por familiares à Polícia Civil.


Uma equipe médica tentou reanimar o garoto, que acabou morrendo na unidade hospitalar em decorrência de um choque hemorrágico (quando o coração não consegue bombear quantidade suficiente de sangue para o corpo).


O caso foi registrado como morte suspeita no 49º DP (São Mateus) mas será investigado pelo 54º DP (Cidade TIradentes).

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Sorocaba terá um Centro de Pesquisa Clínica até o final do ano

Pesquisa indica que 16 milhões de brasileiros vivem sem nenhum dente

Governo usará dados de operadoras de telefonia para monitorar circulação de pessoas

FHC faz mea-culpa e afirma que emenda que permitiu reeleição foi um erro

Procon alerta sobre ação de falso fiscal vendendo exemplar do Código de Defesa do Consumidor

Vigilância Sanitária interdita estabelecimento da área da saúde na região central