16 de Junho de 2024
Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Lula diz que governo vai incluir mais 1,2 milhão de estudantes no programa Pé-de-Meia

Foto: Agência Brasil.
Postado em: 23/04/2024

Compartilhe esta notícia:

Idiana Tomazelli e Renato Machado para Folhapress

 

O presidente Lula (PT) disse nesta segunda-feira (22) que o governo vai incluir mais 1,2 milhão de alunos no programa Pé-de-Meia, que concede bolsas e uma poupança para incentivar estudantes pobres a permanecerem no ensino médio. O ministro Fernando Haddad (Fazenda) disse que a ampliação deve ter um custo adicional de cerca de R$ 3 bilhões ao ano.


O Pé-de-Meia, iniciativa para reduzir a evasão escolar, é uma das principais apostas do governo na área da educação. É visto também na Esplanada dos Ministérios como algo com grande potencial eleitoral -o ministro da Educação, Camilo Santana, tem percorrido o país para anunciá-lo em vários estados.


O desenho atual do programa dá prioridade a estudantes que pertencem a famílias beneficiárias do Bolsa Família, com renda per capita de até R$ 218. Isso significa que atinge 2,5 milhões de alunos, com custo anual de cerca de R$ 7 bilhões.


Segundo Lula, os pagamentos serão ampliados, agora, a todos os alunos inscritos no Cadastro Único de programas sociais, que inclui famílias com renda de até meio salário mínimo (R$ 706) por pessoa ou renda familiar total de até três mínimos (R$ 4.236).


"Está incluído um aumento de pessoas no Pé-de-Meia", disse Lula.


Antes de lançar a proposta oficialmente, no ano passado, o MEC (Ministério da Educação) havia desenhado cenários sobre o impacto financeiro caso o programa chegasse a todos os inscritos do CadÚnico, como anunciado agora.Segundo esses cálculos, o programa deve custar R$ 10,6 bilhões ao ano.


A ampliação foi incluída na MP (medida provisória) que cria o Programa Acredita, assinada por Lula nesta segunda, que trata de estímulo ao crédito para empreendedores e famílias de baixa renda, além de renegociação de dívidas de pequenos negócios.


O texto da medida, divulgado pelo Ministério da Fazenda, autoriza o governo a repassar até R$ 6 bilhões do FGeduc (Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo), usado nas operações do Fies, para bancar a bolsa para o ensino médio, desde que os recursos estejam disponíveis.


O Pé-de-Meia prevê uma bolsa mensal de R$ 200 para que os alunos de ensino médio não saiam da escola. Os pagamentos ocorrem em dez parcelas, e os alunos já estão recebendo.
O programa ainda prevê uma poupança com depósitos anuais de R$ 1.000. Esses valores só poderão ser sacados ao fim do ensino médio.


Para receber o benefício, os estudantes também terão de obedecer a algumas condicionalidades. Entre elas estão a frequência escolar mínima de 80%, ser aprovado ao fim de cada ano e participar de avaliações como Saeb (avaliação federal da educação básica) e Enem, para os estudantes do 3º ano.


Caso o aluno participe do Enem, ainda há mais um pagamento, de R$ 200. O objetivo do governo é, além de manter os jovens na escola, incentivar que participem do exame, principal porta de entrada para o ensino superior.


Segundo dados do MEC, 8,8% dos alunos deixam a escola já no 1º ano do ensino médio. Essa política tem, segundo especialistas, potencial de mudar essa realidade.


O orçamento, por outro lado, destoa de outras políticas consideradas estruturantes na área de educação. Iniciativas de tempo integral e de alfabetização, por exemplo, têm orçamento de no máximo R$ 2 bilhões ao ano.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Em reunião dos BRICS, Bolsonaro propõe reformulação da OMS

Ônibus Rosa e Azul atendem na Policlínica no mês de junho

‘Todos Contra a Covid’ fiscaliza comércio na Zona Sul

Golpe da covid: polícia faz operação para prender criminosos que fingiam ser agentes de saúde

Relator determina “urgência” para que Crespo responda na justiça comum

Crespo termina reunião sobre caso do choque sem dar as caras à imprensa