Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Governo de SP diz que capital teve queda aguda em casos confirmados da Covid-19

Governo do Estado
Postado em: 07/07/2020

Compartilhe esta notícia:

Matheus Moreira, da Folhapress

O secretário de Desenvolvimento Regional do estado de São Paulo, Marco Vinholi, disse, em entrevista nesta terça-feira (7), que a capital paulista apresentou queda aguda no número de casos confirmados do novo coronavírus.

"O que vimos no início colocava casos e óbitos majoritariamente na capital. No último período, houve inversão dessa lógica com a interiorização da pandemia -quase 60% dos casos foram registrados ontem [segunda-feira, 6] no interior do estado."

Nesta segunda foram registrados 2.891 novos casos no estado. Destes, a menor parte (12,4%) foi contabilizada na capital, enquanto o interior foi responsável por 70,87%. Os municípios da Grande São Paulo somaram 16,6%.

De acordo com o comitê, o estado já esteve em situação pior. A secretária de Desenvolvimento Econômico, Patricia Eller, ressaltou que a queda de casos no estado é de cerca de 10%, enquanto à redução de mortes foi de 1,6%.

No último dia 22 de julho, municípios do interior do estado ultrapassaram pela primeira vez a capital em número de pessoas infectadas. Na ocasião, o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, disse que esse movimento já era esperado. Fato ressaltado por Vinholi nesta terça.

Segundo o secretario de Desenvolvimento Regional, o espalhamento do novo coronavírus já se encontra estabilizado no estado. Situação que pode ser explicada, segundo Patrícia Eller, pela estabilização da taxa de isolamento na capital e em municípios da região do ABC e da Grande São Paulo.

Apesar de as ruas parecerem mais cheias, Eller aponta que a taxa de isolamento se mantém estável. Um dos índices utilizados para a sua medição é o monitoramento do isolamento de funcionários em cada setor econômico, como o de comércio.

"Estamos falando de 2 milhões de pessoas no comércio. Já na educação, seriam 13 milhões. Como a retomada é gradual, nem todos os profissionais voltam ao trabalho. Ainda que retornassem, os clientes entram em uma loja, compram o produto e saem, já no setor da educação as pessoas ficam no local. Por isso vemos essa diferença no impacto [da doença]", disse.

O comitê atribui a estabilização da taxa de isolamento ao plano de retomada econômica estadual, chamado de Plano SP. Havia uma queda no isolamento, que foi recuperada após o início da reabertura.

Com o avanço das cidades na flexibilização da quarentena e o equilíbrio da taxa de isolamento, São Paulo estuda reabrir parques urbanos, temáticos e de preservação já na próxima segunda-feira (13). A decisão, no entanto, será divulgada na sexta (10).

De acordo com Paulo Menezes, coordenador do Centro de Contingência da Covid-19, caso se confirme a reabertura dos parques, aglomerações e grandes grupos não serão permitidos nos locais.

O comitê indica que o nível de contágio em áreas ao ar livre é baixo e que ainda não há evidência na literatura médica de que o vírus, de fato, seja transmitido pelo ar.

"O Centro de Contingência está avaliando a questão dos parques sob a luz dessas informações e de experiências de outros países que estão reabrindo seus parques e estudando o impacto disso em uma eventual segunda onda", disse.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

‘Aerofest Sorocaba 2019’, esquadrilha de fumaça, acontece neste domingo

Celso de Mello antecipa aposentadoria em três semanas e deixará STF em 13 de outubro

UNIP premia melhores pesquisas da Iniciação Científica

Câmara tem esquema especial de acesso durante votação de pedido de cassação

Santa Casa continua nesta quinta programação especial para o Dia da Enfermagem

CPI do “Falso Voluntariado” denuncia “obstrução” de investigações