23 de Fevereiro de 2024
Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Defesa de Bolsonaro diz que PF apreendeu objetos de pessoas sem relação com inquérito

Foto: Agência Brasil.
Postado em: 30/01/2024

Compartilhe esta notícia:

Marianna Holanda e Ranier Bragon para Folhapress

 

A defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) divulgou nota nesta segunda-feira (29) afirmando que a PF agiu com excesso nas buscas realizadas em operação mirando o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), em Angra dos Reis.


"A defesa entende que houve um excesso no cumprimento da busca e apreensão, ao passo que foram apreendidos objetos pessoais de cidadãos diversos do vereador Carlos Bolsonaro, apenas pelo fato de estarem no endereço em que a busca foi realizada", diz nota assinada pelos advogados Paulo Amador da Cunha Bueno, Daniel Bettamio Tesser e Fábio Wajngarten.


A defesa também citou que foram apreendidas também anotações da live que o ex-presidente havia participado no domingo (28).


Os advogados afirmaram também: "Apesar da minuciosa busca feita pelos agentes em todos os cômodos do imóvel, com a nítida tentativa de encontrar algo que pudesse comprometer a reputação ilibada do ex-presidente da República, nenhum item seu foi apreendido". Um assessor de Bolsonaro afirmou ter tido bens pessoais seus apreendidos indevidamente na operação desta segunda-feira.


A defesa de Tércio Arnaud Tomáz, antigo assessor da família presidencial, encaminhou petição ao ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal) pedindo a imediata devolução de um tablet e um laptop do seu cliente --que teriam sido levados pelos policiais mesmo havendo esclarecimento de que eles não pertenciam a Carlos, alvo da operação.


Os advogados de Tércio afirmaram, também em nota, ser "inaceitável e inconcebível que terceiros, sem absolutamente qualquer tipo de relação com os fatos apurados, tenham seus bens apreendidos com base em maldosa e indecorosa interpretação de determinada ordem judicial específica".


As buscas desta segunda miram um suposto núcleo político que teria usado a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) para espionagem de adversários políticos, durante o governo Bolsonaro.Tércio Arnaud estava na residência de praia da família Bolsonaro, na Vila Histórica de Mambucaba, em Angra dos Reis (RJ), um dos locais que foram vasculhados pela PF. A reportagem procurou a assessoria da Polícia Federal na noite desta segunda e aguarda uma manifestação.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Travesti morre após ser agredida com facadas na Zona Norte

Polícia Civil de Sorocaba e Ministério Público de Alagoas combatem fraude fiscal de R$ 220 mi

“X-Men: Fênix Negra” chega aos cinemas para encerrar ciclo dos heróis mutantes

GCM detém homem por ameaça e disparo de arma de fogo contra ex-namorada no Jardim Tropical

Dia do Motorista é momento de reflexão sobre a mobilidade urbana

Receita abre na próxima segunda consulta ao lote residual de IR