Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Acusado de assassinar Rafaela hospedou-se em pensão utilizando “auxílio-detento”

Postado em: 05/06/2019

Compartilhe esta notícia:

Paulo César Manoel, acusado pela Polícia Civil de assassinar a estudante Rafaela de Campos, pagou a pensão na qual se hospedou, durante a ‘saidinha de Dia das Mães’, período em que ocorreu a morte da vítima, com uma espécie de “auxílio-detento”, equivalente a 3/4 do salário mínimo.

Rafaela foi morta no domingo do dia 26 de maio, logo após ter prestado vestibular. Neste dia, Paulo César Manoel estava fora da penitenciária, por ter recebido o benefício de saída temporária. A estudante foi rendida pelo criminoso e morta próximo ao rio Sorocaba. Seu corpo foi encontrado quase 24 horas depois por munícipes, próximo à avenida Nogueira Padilha.

width=960
Paulo César Manoel na foto divulgada pela Polícia Militar na noite de quinta-feira (30), no momento em que foi capturado / Foto: PM/divulgação

Manoel, que cortou sua tornozeleira eletrônica e fugiu de Sorocaba na manhã seguinte após matar a estudante, foi capturado na capital paulista, na última quinta-feira (30), e deu entrada, um dia depois, na Penitenciária I “José Parada Neto” de Guarulhos, na última sexta-feira (31). Ele deve responder por latrocínio (roubo seguido de morte).

Até o momento, não há previsão de transferência para outro, ou seja, para a penitenciária II, de Sorocaba, onde ele já cumpria pena.

O Ipa Online questionou sobre esse valor em dinheiro recebido pelo criminoso, popularmente conhecido como “auxílio-detento”. De acordo com a SAP (Secretaria de Administração Penitenciária), Manoel exercia trabalho de limpeza e conservação em trabalho externo a unidade. Com isso, ele recebia 3/4 do salário mínimo – equivalente a R$ 750, e ‘perdão’ de pena: a cada três dias de trabalho, um dia de pena é reduzido, conforme determinado pela Lei de Execuções Penais. As empresas contratantes pelo serviço depositam os pagamentos referentes à contratação de mão de obra de presos em conta bancária.

O preso, condição de Manoel, tem direito a retirar parte desse valor, suficiente para o deslocamento, alimentação e locomoção para saída temporária, na unidade, conforme a necessidade e solicitação da direção à empresa. O restante do valor fica retido e o saque total só pode ser realizado após o recebimento do Alvará de Soltura.

A SAP explica ainda que o benefício da saída temporária como o trabalho externo só acontece com autorização da justiça.

Paulo César Manoel cumpria pena pelas condenações por roubo (8 anos, três meses e 16 dias) e atentado violento ao pudor (estupro) (10 anos, 10 meses e 20 dias) totalizando uma pena de 19 anos, dois meses e seis dias.

O detento foi beneficiado pela justiça à progressão ao regime semiaberto em 14 de fevereiro deste ano, por bom comportamento na cadeia. Sua primeira saída temporária ocorreu em 5 de abril de 2019, retornando em 8 de abril.

A segunda saída temporária foi concedida em 24 de maio, sendo que devia ter retornado no dia 27 do mesmo mês, período no qual ocorreu o homicídio de Rafaela. No dia em que deveria ter retornado da saída temporária, Manoel rompeu a tornozeleira eletrônica e a deixou em cima da cama da pensão onde estava hospedado.

Sobre o fato do corte do equipamento eletrônico, a SAP informou que “estão sendo tomadas as devidas providências”.

PM questiona crime 

A PM, na capital paulista, logo após ter capturado o acusado, o questiona em vídeo a respeito do crime ocorrido em Sorocaba, no qual o suspeito rende Rafaela em um ponto de ônibus em Sorocaba, a leva até um trecho próximo ao rio Sorocaba, já na altura da avenida Nogueira Padilha, e depois foge. Manoel confirma que está foragido da penitenciária e de que era procurado por homicídio (agora, latrocínio – roubo seguido de morte) no município. Ele confirma o encontro com ela, mas não confessa que a matou ou a afogou. Ainda, afirma à policial que o questiona que “só falará em juízo”.

Como ocorreu o crime

Câmeras de segurança registraram o momento em que a jovem foi abordada e feita refém pelo criminoso. O criminoso abordou a vítima num ponto de ônibus, na rua Paula Santos, na região central, na noite de domingo (26).

Até então, o crime, que era investigado como homicídio, passou a ser considerado como latrocínio, pois os pertences de Rafaela não estavam com ela quando o corpo da vítima foi encontrado.

width=978
Em câmera de monitoramento, Manoel é flagrado puxando Rafaela pelo braço até certo trecho do rio Sorocaba / Foto: divulgação/ Polícia Civil

Imagens ainda mostram o criminoso caminhando e segurando a jovem pelo braço, na pista de caminhada da avenida Dom Aguirre, às margens do Rio Sorocaba. Toda a ação dura menos de meia hora. Logo após deixar a vítima à beira-rio, o agressor é visto pela ultima vez caminhando sozinho subindo pela rua do Terminal São Paulo.

Segundo o delegado Marcelo Carriel, longe da vista das câmeras, Rafaela teria tentado lutar contra seu agressor e neste momento, ao que tudo indica, ele teria esganado-a e a jogado desmaiada no rio. A jovem, apesar de estar desfalecida, ainda respirava e foi encontrada água em seu pulmão, por isso o laudo apresentado demonstrou que a causa da morte seria por afogamento.

A morte de Rafaela

O corpo de Rafaela foi encontrado no fim da tarde de segunda-feira (27), no rio Sorocaba. A jovem, moradora de Votorantim, desapareceu após sair de casa para prestar vestibular. Seu corpo foi encontrado por pedestres no rio Sorocaba, próximo à avenida Nogueira Padilha. Bombeiros resgataram o corpo.

Rafaela havia saído de casa no domingo (26), pela manhã, para prestar vestibular em uma faculdade localizada no Centro de Sorocaba e depois disso não deu mais notícias à família.

width=960
Rafaela de Campos, a vítima, estudante, havia ido fazer um vestibular no dia em que foi assassinada. Ela tinha 19 anos. Foto: reprodução/Facebook

A faculdade Esamc, em nota oficial, informa “que a jovem Rafaela de Campos prestou vestibular nesta instituição de ensino no último domingo, dia 26 de maio, tendo saído das instalações por volta das 18h25. Com muita tristeza, solidarizamo-nos com os familiares e amigos de Rafaela. Colocamo-nos à disposição para o fornecimento de todas as informações possíveis, que porventura colaborem com as investigações e solução do caso”.

Câmeras de segurança registraram a jovem caminhando por várias ruas do Centro por volta das 18h30. Segundo a Polícia Civil, o laudo demonstrou que a causa da morte de Rafaela seria afogamento.

A mãe da garota registrou boletim de ocorrência por desaparecimento no início da manhã de segunda-feira (27), relatando que a filha saiu de Votorantim para ir fazer a prova em Sorocaba no domingo, por volta das 11h30, e que não tem o costume de sair de casa sem retornar.

A princípio, explicou a delegada Luciane Bachir, havia a hipótese de Rafaela ter entrado em um carro de transporte por aplicativo, porém a informação foi totalmente descartada durante a investigação.

O corpo de Rafaela foi sepultado na última quarta-feira (29), no cemitério São João Batista, em Votorantim.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Prefeitura vai apurar conduta de médicos de UPHs após denúncia de vereador

Quadrilha especializada em fraudes no Auxílio Emergencial é presa

Operação integrada de abordagem social acolhe mais 15 pessoas em situação de rua

Governo Doria quer terceirizar merenda das escolas em São Paulo

Bebida alcóolica deve ser restringida na quarentena por coronavírus, diz OMS

Vacinas da Índia devem chegar nesta sexta-feira ao Rio