Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Prefeitura realoca moradores de rua para oferecer melhor atendimento no Clube do Idoso

Foto: Agência Sorocaba
Postado em: 03/04/2020

Compartilhe esta notícia:

Diante da grande procura pelo acolhimento oferecido às Pessoas em Situação de Rua (PSRs) no Clube do Idoso, a Secretaria de Cidadania (Secid) realocou 17 pessoas para o Serviço de Obras Sociais (SOS), nesta quinta-feira (2). O espaço já estava preparado ao acolhimento de casos que inspirassem mais cuidados de saúde, mediante constatação de sintomas associados à Covid-19.


Na noite da quarta-feira (01) o Clube do Idoso atingiu sua capacidade máxima, abrigando 67 pessoas para o pernoite. Por isso mesmo o secretario da pasta, Paulo Henrique Soranz optou pela reorganização do serviço de modo a reequilibrar a assistência prestada aos indivíduos, garantindo mais segurança e eficácia do atendimento. “No total, dispomos de 130 vagas, das quais 70 são do Clube. Realocando algumas pessoas no SOS, que estava vazio, conseguimos cuidar melhor de todos”, assegurou.


A partir disso, e mediante o aumento na procura pelo acolhimento da Prefeitura de Sorocaba, o SOS manterá apenas um quarto para atendimento no caso da necessidade de isolamento de sintomáticos. Já no Clube do Idoso, passam a ser oferecidas apenas 50 vagas para a realização de refeições, banho, higiene e pouso; ou seja, vinte vagas a menos d que as inicialmente projetadas.


A Secid reitera o pedido para que o cidadão que perceber uma movimentação ou aglomeração de PSRs, entre em contato com a secretaria para o direcionamento das abordagens. Os telefones são (15) 3212-6900 (WhatsApp) e (15) 3212-6901.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Chefe do PCC responsável por negociar drogas com máfia italiana é preso

Sorocaba deve receber nesta terça 9.280 doses da vacina contra covid-19

Bolsonaro acusa Maia de conspiração e diz que atuação do presidente da Câmara é péssima

Governo de SP registra documentos da CoronaVac na Anvisa para análise

Sorocaba desconhecia “garimpo” na fábrica de baterias abandonada

Em início de crise, ministro fica isolado, e Lava Jato prova do seu próprio veneno