Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Covid-19 avança de novo no interior de SP, que já vê fila de espera por vaga em hospital

Foto: Agência Brasil
Postado em: 15/12/2020

Compartilhe esta notícia:

Carolina Vila-Nova e Marcelo Toledo, FOLHAPRESS

 

A pandemia da Covid-19 avança novamente no interior paulista, que já tem registros de fila para atendimento em hospital e vê a Justiça obrigando a abertura de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva).


Em Sorocaba, dois hospitais –Adib Jatene e Unimed– estavam com 100% de ocupação em leitos de UTI adulto no domingo (13) e a prefeitura vê na assinatura de um convênio a possibilidade de ampliar a oferta de vagas para reduzir a pressão no sistema de saúde. Em outros três hospitais, a ocupação atingiu 90%.


A cidade enfrentou problemas na última semana, com 10 pacientes de enfermaria aguardando vagas para leitos destinados a internados com o novo coronavírus.


Sorocaba tem cerca de 24 mil casos confirmados da doença, com 514 mortes até domingo, e a expectativa é que um convênio de 60 dias com o Hospital Santa Lucinda disponibilize a partir desta semana 20 leitos de enfermaria.


O governo pagará R$ 737,59 por dia para cada leito, o que representa R$ 442.554 por mês.


A situação de pressão em Sorocaba se repete em outros locais do interior paulista. Em Ribeirão Preto, que tem 87 leitos de UTI disponíveis, menos de 40% do registrado no auge dos casos na cidade, a ocupação está subindo e alcançou 57,47% nesta segunda-feira (14).


Na sexta, estava em 50,57%. Já na rede privada, a situação é mais crítica, com 23 dos 29 leitos exclusivos ocupados, ou 79,31% de ocupação, um avanço de 14 pontos percentuais em relação a sexta.


Os hospitais São Francisco e Unimed, ambos particulares, têm 100% de ocupação nos leitos de UTI disponíveis, com 10 pacientes no primeiro e 8 no segundo.


No último dia 3, o juiz Darci Lopes Beraldo acatou liminar obrigando o estado a abrir pelo menos dez leitos adicionais de UTI para pacientes de Covid no Hospital Regional de Presidente Prudente, sob pena de multa diária de R$ 100 mil caso a decisão não fosse cumprida em 24 horas.


Em sua decisão, o juiz apontou divergências entre os dados do Censo Covid-19 e a realidade nos hospitais.

"Essa sobra [de vagas] apontada no censo não existe na prática, já que no dia 1º de dezembro a Promotoria de Justiça foi acionada duas vezes pelo fato de pacientes estarem internados na UPA [Unidade de Pronto Atendimento] aguardando vagas UTI Covid-19, pois a notícia é de que não havia vagas", afirmou.


Relatou que, no dia seguinte, cinco pacientes graves aguardavam por vagas de terapia intensiva.


"Chega-se à conclusão de que o Censo Covid para a região de Presidente Prudente não espelha a realidade, de modo que a sobra de leito nele exibida é figurativa, sendo que a microrregião em que está inserida a comarca de Presidente Prudente e o Pontal do Paranapanema está descoberta, não havendo leito de UTI suficiente para o enfrentamento da Covid-19. Aliás, sequer leito clínico/enfermaria", afirmou a decisão.


Após a liminar, a Secretaria de Estado da Saúde destinou dez leitos adicionais de UTI para o Hospital Regional de Presidente Prudente, dobrando a capacidade de atendimento.


Um plano de contingência firmado entre o Ministério Público Estadual e as operadoras de saúde nesta semana vai permitir a abertura, até janeiro, de 20 leitos no Hospital Iamada e na Santa Casa, que estavam à beira do colapso.


Hoje a região de Presidente Prudente, que abarca 45 municípios, tem 71,6% de ocupação na UTI e 62,5% na enfermaria. Apenas a cidade de Prudente tem 8.328 casos e 178 mortes por Covid.


Em Campinas, a taxa geral de ocupação de leitos de UTI exclusivos para Covid subiu de 58,8% em 27 de novembro para 85,71% nesta segunda (14). A situação é precária em todas as esferas: são 87,36% de vagas do SUS e 84,76% de vagas em hospitais privados ocupadas.


A prefeitura chegou a desativar 42 leitos de UTI para Covid nas redes pública e particular em 1º de dezembro, ficando apenas sete vagas disponíveis no SUS (hoje são nove).


Mas anunciou em seguida a transferência de dez vagas de uma UTI pediátrica no Hospital Ouro Verde para o uso de adultos com Covid-19. Também foi anunciada uma negociação para a contratação de mais dez leitos com a Santa Casa.


Campinas tem hoje 46.124 casos confirmados e 1.411 mortes.


No litoral de São Paulo, a taxa de ocupação de leitos de UTI na rede privada alcançou 72% em Santos, ficando em 43% na rede pública. A cidade tem 27.962 casos confirmados e 834 óbitos.


Na noite de domingo (13), o prefeito Paulo Alexandre Barbosa anunciou a abertura de 60 leitos Covid na UPA Central -40 para enfermaria e 20 para UTI. "Em virtude do aumento do número de casos, vamos ativar nosso plano de intervenções em relação ao enfrentamento da pandemia, que prevê a abertura de novos leitos na UPA Central", afirmou em live.


No litoral norte, a Prefeitura de Ilhabela iniciou na última semana a implantação de um hospital de campanha para atender casos que não sejam de coronavírus. O objetivo é concentrar os pacientes em tratamento da doença no hospital Mário Covas Jr, o único da ilha.


Até esta segunda-feira (14), foram confirmados cerca de 2.800 casos da doença na cidade, com 14 óbitos.


Com os leitos no Hospital de Campanha para outras enfermidades, o município terá 25 leitos intermediários e 5 de UTI para tratar pacientes com Covid-19. Três vagas estavam ocupadas no final de semana.


Marília atingiu neste fim de semana 100% de ocupação de UTI no Hospital Beneficente Unimar (hospital universitário) e 90% na Santa Casa. São 6.426 casos confirmados e 94 mortes na cidade. "Atenção proprietários de bares, restaurantes e organizadores de festas e baladas: é preciso neste momento ter muita responsabilidade com a saúde coletiva. Temos um quadro crescente de casos positivos e também de internações, quer seja em UTIs ou leitos de enfermaria", alertou a Secretaria de Saúde em uma rede social.


São José do Rio Preto, que somou 7.786 novos casos de Covid em 65 dias -contando hoje com 31.552 casos e 843 mortes-, tem 54% dos leitos públicos de UTI ocupados. "Há um aumento de todos os indicadores de piora da Covid em Rio Preto. Não é mais um pico isolado", afirmou o secretário da Saúde, Aldenis Borim.


Grande parte dos municípios paulistas está omitindo dados sobre a ocupação de leitos em suas páginas oficiais ou em suas redes sociais -casos de Sumaré, São José dos Campos e Piracicaba, no interior, e Praia Grande, no litoral.


Procurada pela reportagem, a assessoria de imprensa da prefeitura de Sumaré respondeu que 60% dos leitos da UPA Macarenko (enfermaria) estavam ocupados, mas que era necessário procurar o Hospital Estadual e cada hospital particular para obter a informação.


O Hospital Estadual primeiro informou que não havia nenhum paciente de Covid-19 internado. Depois afirmou que havia quatro em UTI, mas não a totalidade dos leitos disponíveis.


Já a Prefeitura de Piracicaba relatou 49,23% de leitos de UTI ocupados tanto em hospitais privados quanto públicos até sexta. Não foi informada a ocupação separadamente.


São José dos Campos e Praia Grande não responderam aos questionamentos da reportagem. ​

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Pai é preso após tentar matar filho recém-nascido em Iperó; caso aconteceu neste domingo

Eduardo Bolsonaro diz que Moro tem motivação política: "Ninguém faz isso de graça"

Conselheiro estadual da juventude busca retomar força política da categoria no município de Sorocaba

Manutenção da CPFL interrompe abastecimento de água em cerca de 30 bairros de Sorocaba

Bolsonaro diz que liberação de FGTS passa por ajuste, mas deve ser anunciada nesta 5ª

Temporal com rajadas de vento de até 80 km/h deve ocorrer em Sorocaba