Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Bolsonaro diz não ter influência sobre Petrobras e que não quer ser ditador

Foto: PR
Postado em: 08/02/2021

Compartilhe esta notícia:

Daniel Carvalho, FOLHAPRESS


Na tentativa de conter as críticas de seus seguidores na internet por causa da alta no preço dos combustíveis, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse a apoiadores nesta manhã que voltará a reunir a equipe econômica nesta segunda-feira (8) para tentar bater o martelo sobre uma medida para baixar o valor de PIS/Cofins.


Na porta do Palácio da Alvorada, ele disse aos eleitores que não tem ingerência sobre a Petrobras e que não pretende se tornar um ditador para extrapolar os limites que a legislação impõe ao presidente da República.


"Não é novidade para ninguém: está previsto um novo reajuste de combustível para os próximos dias, está previsto. Vai ser uma chiadeira com razão? Vai. Eu tenho influência sobre a Petrobras? Não", disse Bolsonaro.


"Daí o cara fala "você é presidente do quê?" Ô, cara. Vocês votaram em mim e tem um monte de lei aí. Ou cumpre a lei ou vou ser ditador. E para ser ditador vira uma bagunça o negócio e ninguém quer ser ditador e... isso não passa pela cabeça da gente", afirmou o presidente.


Bolsonaro já havia reunido a equipe econômica na sexta-feira (5), mas terminou o encontro sem uma medida concreta para reduzir o preço dos combustíveis. Ele disse que pretendia apresentar um projeto de lei que fixasse o valor do ICMS em nada Unidade da Federação ou que garantisse que o imposto estadual seria cobrado na refinaria. Houve contestação nos estados.


A cota de sacrifício da União se daria pela redução do PIS/Cofins, mas o governo não chegou a apresentar uma solução para compensar a medida.


"O preço da refinaria é menos da metade do preço da bomba. Isso é fato. O preço na bomba é mais do dobro da refinaria. O quê que encarece? São os impostos e mais outras coisas também. O imposto federal é alto, o estadual é alto, a margem de lucro das distribuidoras é grande e a margem de lucro dos postos também é grande. Então, está todo mundo errado, no meu entendimento, pode ser que eu esteja equivocado", disse Bolsonaro.


Em um recado aos governadores, o presidente voltou a cobrá-los pela redução do ICMS.


"Os governadores falam que não podem perder receita, que estão no limite. Entendo isso aí. O governo federal também está no limite. É verdade. Agora, quem está com a corda mais no pescoço do que nós, presidente da República e governadores, é a população consumidora."

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Quase 900 multas por falta de máscara são aplicadas no estado de São Paulo

Cerca de 88 mil eleitores se registraram para votar em trânsito

Resultado final do Enem será divulgado na segunda, após as 18h

Doria vota em São Paulo e diz que estará com Geraldo Alckmin

Maia diz que Moro é de extrema direita e que chance de apoiar chapa com ele à Presidência é ‘zero’

Ex-secretário revela esquema de corrupção no governo; Taty Polis receberia R$ 11 mil