Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Zoonoses remove quase 180 toneladas de possíveis criadouros do Aedes aegypti

Postado em: 31/08/2021

Compartilhe esta notícia:

A Divisão de Zoonoses da Prefeitura de Sorocaba, setor vinculado à Secretaria da Saúde (SES), removeu 178.050 kg de possíveis criadouros do mosquito Aedes aegypti até o dia 24 de agosto. A ação foi possível, após a atual Gestão Pública contratar três caminhões para o serviço de “arrastão”. Até o dia 31 de julho, 196.892 imóveis foram visitados nas proximidades de casos positivos de dengue e em inspeções de rotina.

 

“A atividade tem boa aceitação da população, porém, ainda é necessário mais colaboração e sensibilidade da sociedade em relação ao tema”, explica a chefe da Divisão da Zoonoses, Thais Buti.

 

Dos mais de 190 mil imóveis visitados, 33.505 receberam nebulização. As demais residências precisaram da aplicação de larvicida, um produto que mata a larva do mosquito transmissor. Outros locais tiveram os possíveis criadouros tratados, no momento da visita, com sabão em pó ou detergente, que são produtos alternativos para matar as larvas do mosquito.


De janeiro a julho, também houve 4.222 fiscalizações de denúncias da população atendidas pela Zoonoses, sendo 401 notificadas e 64 com autos de infração.

 

Trabalho durante a pandemia

 

A Divisão da Zoonoses informa que, nesta época de pandemia da Covid-19, os agentes estão visitando somente as áreas externas dos imóveis, como medida preventiva. As nebulizações são realizadas normalmente, com a população aguardando do outro lado da rua, a uma distância de dois metros entre os núcleos familiares, para evitar aglomerações. As pessoas que não queiram sair de suas casas podem permanecer dentro delas, fechando todas as portas e janelas, bem como colocando panos nos vãos das portas.

 

Queda da Avaliação de Densidade Larvária

 

O município apresentou queda da Avaliação de Densidade Larvária (ADL) para 0,7% (satisfatório), em agosto deste ano. A ADL é uma atividade de vistoria dos imóveis na cidade de forma amostral e que tem por objetivo quantificar a infestação de mosquitos em todas as áreas.

 

Essa avaliação permite direcionar as ações de prevenção e controle do mosquito Aedes aegypti, concentrando as ações em áreas com maiores índices de infestação, determinando quais atividades serão realizadas, baseando-se nos recipientes e possíveis criadouros mais frequentes na área envolvida.

 

Casos de dengue

 

A Prefeitura de Sorocaba, por meio da Secretaria da Saúde (SES), divulgou um novo Boletim Epidemiológico com os dados atualizados sobre a dengue, indicando 1.216 casos.

 

Desse total, 1.126 são autóctones e 90 importados. Há, ainda, outros nove casos de chikungunya, com cinco autóctones e quatro importados. Nenhum caso de zika, nem de febre amarela foi registrado. Não houve óbito por dengue registrado no ano de 2021.

 

Orientação à população

 

É preciso manter as lixeiras tampadas com os sacos plásticos bem fechados. Os munícipes devem guardar os pneus secos em local coberto. Garrafas, frascos, potes, latas vazias e baldes descartáveis devem ser colocados no lixo ou vazios e virados de boca para baixo igualmente em local coberto. Manter ralos com pouco uso fechados e com uma colher de detergente ou sabão em pó. Após cada chuva ou ao lavar o quintal, repetir esse tratamento.

 

Todos os pratos de vasos de plantas ou xaxins, dentro ou fora da casa, devem ser eliminados, pois acumulam água e são um dos criadouros mais frequentes do mosquito. No caso de bromélias ou outras plantas que possam acumular água, o indicado é plantar em local coberto e molhar somente a terra, pois esse tipo de planta acumula água e serve de criadouro para o Aedes aegypti.

 

Vasilhas de água para animais domésticos devem ser escovadas com bucha e sabão todos os dias e ter a água trocada, para eliminar possíveis ovos do mosquito.

 

Além disso, as caixas d’água devem estar sempre tampadas e bem vedadas, além de não se esquecer de colocar tela no buraco dos ralos do “ladrão”, pois o mosquito pode entrar por ali e depositar seus ovos.

 

Para as bandejas de geladeiras, retirar sempre a água e escovar com água e sabão, deixando 1/4 de copo de detergente ou duas colheres de sabão em pó. Piscinas de grande e médio porte deverão ser tratadas com cloro em quantidade adequada para o tamanho. Caso estejam vazias, coloque 1 kg de sabão em pó no ponto mais fundo. As piscinas para crianças deverão ser escovadas e ter sua água trocada a cada dois dias. Nas lajes, retire a água acumulada e providencie para que ela tenha um desnível em direção ao cano.

 

É importante verificar as calhas, se elas não estão entupidas. Remova folhas ou outros materiais que possam impedir o escoamento da água e mantenha a calha com um pequeno desnível, em direção ao cano. Para os vasos sanitários com pouco uso, coloque duas colheres de sopa de sabão em pó, repetindo entre tratamento após cada troca de água.

 

Para finalizar, os cuidados não devem ser somente na residência. É essencial ficar atento a possíveis focos de água parada na escola, no trabalho, nos vizinhos e em outros locais frequentados diariamente.

 

A Secretaria de Saúde informa que denúncias de criadouros do Aedes aegypti podem ser feitas por meio do canal 156 ou pelo site da Prefeitura: http://www.sorocaba.sp.gov.br/atendimento/#/Home/Solicitacao ou ainda em uma das Casas do Cidadão. Também é possível registrar a ocorrência pelo WhatsApp da Ouvidoria Geral do Município, pelo número: (15) 99129-2426, das 8h às 17h. Em seguida, uma equipe técnica vai ao local e faz a inspeção da área para tomar as devidas providências.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Império e Tatuapé são destaques da 1ª noite de desfiles do Carnaval paulista

Relator determina “urgência” para que Crespo responda na justiça comum

Câmara não anula decreto sobre aplicativos de transporte e classe se irrita

Justiça determina retorno do transporte coletivo em Sorocaba com 60% da frota em horário de pico

Cidades do litoral de SP intensificam ações contra aglomeração no feriado

Rejeição a Bolsonaro bate 50% em SP, e aprovação cai 6 pontos no Rio, diz Datafolha