Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Possibilidade de segunda onda da Covid-19 no Nordeste é ‘muito real’, diz especialista

Jovem Pan News
Postado em: 25/10/2020

Compartilhe esta notícia:

Jovem Pan News

Com o avanço da Covid-19 em diversos países europeus e nos Estados Unidos, a preocupação com uma possível segunda onda de casos no Brasil cresce diariamente. O neurocientista Miguel Nicolelis, coordenador do Comitê Científico do Consórcio Nordeste, avalia que a preocupação envolve todas as regiões do país, mas especialmente o Nordeste brasileiro. Segundo ele, considerando o período de três meses que leva para a onda de infecções europeia chegar ao Brasil, a estimativa é que entre o período natalino e a primeira semana de janeiro haja uma nova explosão de contaminações pelo coronavírus. “A possibilidade que nós temos [de uma segunda onda no Nordeste] é muito real e sim, eventualmente só teremos, antes de uma vacina, os mesmos recursos não farmacológicos utilizados, como o isolamento social e a quarentena. Não existe outra grande solução para uma explosão de casos como estamos vendo na Europa.”

Miguel Nicolelis lembra o número de hospitalizações e a taxa de mortalidade sempre apresentam um atraso quanto ao crescimento de casos. No entanto, ele aponta que o tanto autoridades europeias quanto norte-americanas já apontam para superlotações e aumento das hospitalizações. O Comitê Britânico, segundo neurocientista, já alertou que a superlotação hospital é “uma possibilidade extremamente possível” enquanto os Estados Unidos já registram 40% de alta nas internações no último mês. Com isso, a preocupação é que o Brasil também enfrente novos aumentos. “O nosso receio é que ocorra [aumento na taxa de contaminação] com as aglomerações que estão sendo feitas por causa do processo eleitoral e vinda de turistas agora no final do ano. A situação nos Estados Unidos e na Europa está piorando, o inverno está chegando lá e muitas pessoas vão querer se refugiar em locais de regiões tropicais. Então por isso estamos preocupados.”

Para evitar essa possível segunda onda no Nordeste e em todo o Brasil, o Miguel Nicolelis entende que medidas como o fechamento de aeroportos e a imposição de novos períodos de quarentena podem ser necessárias. “A primeira coisa é seguir controle. Os aeroportos devem ter controles rígidos os passageiros, monitoramento, serem testados e cumprirem quarentena de 14 dias. Depois, teríamos que começar a estocar tudo que vai ser necessário para combater a segunda onda, medicamentos, mascaras, roupa de proteção individual, materiais para UTI que faltaram e precisamos começar a ter um plano de contingenciamento dos leitos, que eventualmente vamos ter que utilizar se a segunda onda se materializar. Supondo que a onda na Europa piore, o Brasil teria que fechar espaço aéreo, porque a pandemia entrou pelos aeroportos e ela pode voltar pelos mesmos locais.”

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Circo-teatro Guaraciaba anuncia o adiamento da estreia do filme “A Paixão no Circo”

Cinco filmes sobre fatos e períodos da política brasileira

Prefeitura de Sorocaba recebe ambulância da Fundação Toyota do Brasil

Prefeitura de Votorantim abre inscrições para projetos culturais do Fundo Municipal de Cultura

Após Sorocaba, Butantan detecta nova variante sul-africana na Baixada Santista

Justiça anula título de doutor honoris causa de Lula em universidade de Alagoas