Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Anvisa inicia análise de dados para futuro registro da vacina CoronaVac

Arquivo
Postado em: 04/10/2020

Compartilhe esta notícia:

Natália Cancian, da Folhapress

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) informou nesta sexta-feira (2) ter recebido dados iniciais para análise da vacina contra Covid-19 em desenvolvimento pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

O envio faz parte de um novo processo criado pela agência e que visa acelerar análises para um futuro aval à oferta do imunizante.

Esse é o segundo pedido de revisão de estudos recebido pela Anvisa. O primeiro ocorreu nesta quinta-feira (1), após envio de dados da vacina em desenvolvimento pela farmacêutica AstraZeneca com a Universidade de Oxford.

Na prática, a medida indica um primeiro passo para que, se comprovada eficácia, as vacinas possam ser ofertadas no futuro à população. Ambas, porém, ainda estão em fase de estudos.

Chamado de "submissão contínua", esse novo processo consiste no envio adiantado de documentos até que haja o pedido formal de registro, ou seja, de autorização para oferta das vacinas no mercado.

Até então, todos os dados de segurança, qualidade e eficácia tinham que ser apresentados de uma só vez a cada novo pedido de registro. Agora, há possibilidade de compartilhamento antecipado de dados.

O objetivo é dar mais agilidade ao futuro processo de autorização, informa a Anvisa.

"Importante ressaltar que não existe, neste momento, nenhuma conclusão sobre a qualidade, a segurança e a eficácia de nenhuma das duas vacinas, que continuam cumprindo a terceira etapa de testes", diz a agência.

Em nota, a Anvisa lembra ainda que a medida não indica um pedido oficial de registro, mas uma antecipação dos dados para que isso ocorra quando os testes forem concluídos.

Nomeada de CoronaVac, a vacina desenvolvida pela chinesa Sinovac com o Instituto Butantan está hoje na terceira etapa de testes clínicos, quando verificados dados de segurança e eficácia.

Recentemente, a Anvisa deu aval para aumentar de 9.000 para 13.060 o número de voluntários que devem participar dos estudos da vacina no Brasil. A imunização é testada em voluntários de sete estados.

A previsão é que os primeiros resultados da etapa da fase 3 sejam publicados até o fim deste mês, informou na última semana o governador de São Paulo, João Doria (PSDB-SP).

Segundo ele, dados preliminares de testes feitos na China mostram que a vacina é segura.

Caso seja confirmada a eficácia, o governo paulista tem informado que pretende iniciar a vacinação de profissionais de saúde já em 15 de dezembro. Um contrato para que a Sinovac forneça 46 milhões de doses ao estado foi assinado nesta semana.

Até fevereiro, mais 14 milhões de doses chegarão ao estado sob novo contrato, totalizando 60 milhões. A oferta e uma eventual expansão de doses, no entanto, ainda dependerá de resultado dos testes.

Além da CoronaVac, o Brasil tem hoje outros três testes em andamento de potenciais imunizantes contra a Covid-19. São eles: o estudo a vacina desenvolvimento pela AstraZeneca com a Universidade de Oxford; o da Pfizer com a Wyeth e outro da Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Prefeitura implanta piloto de Floresta Urbana na Américo Figueiredo

Ministério Público de SC afirma que vídeo de audiência do caso Mariana Ferrer foi editado

Mulher joga criança do 5º andar de um prédio, diz polícia

À Jovem Pan, Doria reforça que feriado "não é momento de lazer": "Hora das pessoas ficarem em casa"; veja vídeo

Vulcão Krakatoa entra em erupção na Indonésia

SP: 90 bares e festas são autuados por descumprir regras sanitárias