Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Acobertamento de corpo e morte de cadela são outras polêmicas envolvendo o Carrefour

Foto: reprodução
Postado em: 21/11/2020

Compartilhe esta notícia:

Diana Lott, FOLHAPRESS

 

O homicídio de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, em uma loja do Carrefour em Porto Alegre é a mais recente polêmica envolvendo o hipermercado, que nos últimos anos enfrentou duras críticas por sua conduta em episódios delicados.


A morte do representante de vendas Moisés Santos em uma loja no Recife neste ano também gerou indignação do público pela indiferença com que os funcionários trataram o episódio.


Santos era funcionário de uma empresa de alimentos fornecedora -ou seja, não era contratado direto do Carrefour- e morreu após sofrer uma parada cardíaca enquanto trabalhava no local.


Em vez de fechar as portas e aguardar a equipe do serviço funerário, o Carrefour usou guarda-sóis, tapumes e fardos de cerveja para encobrir o corpo e seguiu funcionando normalmente –situação que durou mais de três horas, tempo que funcionários do IML (Instituto Médico Legal) levaram para chegar ao local.


Após a reação negativa, o Carrefour disse em nota que errou em não fechar a loja.


"O Carrefour pede desculpas em relação à forma inadequada que tratou o triste e inesperado falecimento do sr. Moisés Santos, vítima de um ataque cardíaco, na loja do Recife. A empresa errou ao não fechar a loja imediatamente após o ocorrido à espera do serviço funerário, bem como não encontrou a forma correta de proteger o corpo", afirmou a rede à época.


O hipermercado disse que prestou primeiros socorros e acionou o SAMU [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência], e que, depois da morte, seguiu orientação de não retirar o corpo do local.


Ainda de acordo com o Carrefour, o episódio provocou mudanças nas orientações aos seus colaboradores para situações como essa, tidas como "raras".


Entre elas está a obrigatoriedade do fechamento da loja, "com objetivo de trazer mais sensibilidade e respeito ao conduzir fatalidades".


Em 2018, foi a morte da cadela Manchinha que fez o Carrefour se tornar alvo de protestos e críticas nas redes sociais.


Manchinha vivia no estacionamento de uma loja da rede em Osasco havia alguns dias e era alimentada por funcionários. Em 28 de novembro, ela foi golpeada por um segurança terceirizado, que afirmou ter sido orientado a retirar a cadela do local, mas que não tinha a intenção de machucá-la.


O Carrefour afastou o funcionário terceirizado assim que o caso veio à tona e afirmou repudiar maus-tratos e colaborar com as investigações.


Cerca de um mês depois do episódio, o hipermercado anunciou uma parceria com uma ONG de defesa dos direitos dos animais que incluiu a criação de material de treinamento e sensibilização de funcionários e a revisão de procedimentos voltados à abordagem de animais abandonados nas lojas.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Sorocaba entra na fase vermelha nesta 2ª; Manga encontra Governo Doria para negociar flexibilização

"Se quiserem Parlamentarismo, mudem a Constituição", diz general Heleno a políticos

Taxa de desemprego cai em 16 estados, revela IBGE

Paulo Guedes: contribuição patronal na capitalização gerará desemprego de jovens

Vereadores aprovam alteração do Dia das Mães em Ribeirão Preto

Receita abre consulta ao último lote de restituição do Imposto de Renda 2020