Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Vacina adaptada a variantes pode levar até 9 meses, diz AstraZeneca

Foto: Reuters/Dado Ruvic/direitos reservados
Postado em: 11/02/2021

Compartilhe esta notícia:

Ana Estela de Sousa Pinto, FOLHAPRESS


Uma vacina mais eficaz contra variantes do SarsCov2 consideradas preocupantes, como a P.1 (encontrada no Brasil), pode levar de 6 a 9 meses para ser produzida, afirmou nesta quinta (11) a AstraZeneca, empresa farmacêutica que desenvolveu com a Universidade de Oxford o imunizante usado hoje no programa do governo federal brasileiro.


A estimativa foi feita durante anúncio de resultados financeiros do laboratório em 2020. A necessidade de um imunizante mais adequado aos mutantes do coronavírus cresceu depois que dados iniciais mostraram proteção menor contra a variante B.1.351 (encontrada na África do Sul), em relação a casos leves e moderados da doença.


Mais pesquisas estão sendo feitas sobre a eficácia contra casos graves de Covid-19 e mortes e contra a variante P.1 -a expectativa é que o imunizante atual ofereça proteção satisfatória contra doença mais severa ou óbitos, afirmou nesta quarta (10) o grupo que aconselha a OMS (Organização Mundial da Saúde).


A organização decidirá na próxima segunda (15) sobre a inclusão da vacina de Oxford/AstraZeneca em sua lista de uso emergencial (UEL), necessária para a distribuição pelo mecanismo Covax –que distribuirá imunizantes para mais de 100 países, entre eles o Brasil.


Usado já em mais de 50 países, o produto é considerado um dos mais promissores para nações mais pobres, porque é mais barato e pode ser armazenado e distribuído mais facilmente que opções mais sofisticados, como as vacinas da Pfizer/BioNTech (já aprovada pela OMS) e da Moderna.


A falta de evidência sobre o efeito do produto sobre as novas variantes levou a África do Sul a suspender a aplicação da vacina até montar um ensaio clínico para observar sua eficácia em 100 mil pessoas, antes de escalar a aplicação. Segundo a OMS, a cautela faz sentido para países que tenham mais de uma vacina disponível, mas o imunizante de Oxford/AstraZeneca deve ser usado sem restrições se for o único disponível, para proteger a população mais vulnerável.


Nesta quinta, a seção europeia da OMS afirmou que a variante B.1.351 já foi encontrada em 19 países do continente e, embora haja pouco indício de transmissão comunitária, sua participação no aparecimento de novos surtos é crescente.


A adaptação da vacina de Oxford/AstraZeneca a variantes do Sars-Cov-2 é mais demorada que a de alternativas como as da Pfizer ou da Moderna, por causa da tecnologia utilizada na produção. O imunizante de Oxford exige que células sejam cultivadas por semanas, alongando o prazo de produção, enquanto as outras duas vacinas usam a tecnologia de mRNA.


O chefe de pesquisa e desenvolvimento da AstraZeneca, Mene Pangalos, afirmou ao jornal britânico Financial Times que a diferença de tecnologia implica um atraso de até 6 semanas na obtenção de uma vacina adequada às variantes.


A AstraZeneca divulgou um aumento de 9% nas receitas de 2020, para US$ 26,6 bilhões (R$ 143 bi). As vendas da vacina Covid-19 representaram US$ 2 milhões (R$ 10,8 mi), segundo a empresa, e novos medicamentos representaram mais da metade da receita total. O lucro anual antes de impostos foi de US$ 3,9 bilhões (R$ 21 bilhões).

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Parques, Jardim Botânico e Zoo têm capacidade de público alterada com novo decreto

Mais de 650 mil crianças saíram da escola durante a pandemia

Sobe para 98 o número de casos suspeitos de Coronavírus aguardando resultado de exames em Sorocaba

Com fila covid zerada, Manga rescinde contrato com empresa que gerencia CTE São Guilherme

Saae suspende corte de água pelos próximos 90 dias por causa do coronavírus, diz diretor da autarquia

Paulo Guedes deve apresentar proposta de reforma da Previdência até o dia 7