22 de Julho de 2024
Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

STF arquiva inquérito sobre Aécio e maquiagem de dados na CPMI dos Correios

Postado em: 24/10/2018

Compartilhe esta notícia:

Reynaldo Turollo Jr, FOLHAPRESS

O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), arquivou um dos inquéritos que tramitam na corte sobre o senador Aécio Neves (PSDB-MG), no qual ele era suspeito de ter maquiado fatos ilícitos dos tucanos a fim de esconder a relação do partido com o Banco Rural durante a CPMI dos Correios, em 2005.

Gilmar, relator do inquérito, atendeu à procuradora-geral da República, Raquel Dodge, que se manifestou pelo arquivamento. Para ela, a Polícia Federal não encontrou provas que corroborassem a delação do ex-senador Delcídio do Amaral, que acusou Aécio.
A decisão do ministro é da última sexta-feira (19), mas foi divulgada no site do Supremo nesta terça (23).

Segundo Delcídio, que presidiu a CPMI dos Correios, Aécio enviou o então deputado federal Eduardo Paes (hoje no DEM-RJ) para negociar com ele para que o Banco Rural enviasse dados maquiados sobre empréstimos feitos aos tucanos. À época, Aécio era governador de Minas. O indiciamento de Paes já havia sido descartado pela PF.

Delcídio disse em seu acordo de delação que chegou a se reunir com Aécio no Palácio da Liberdade, em Belo Horizonte, para negociar a exclusão de alguns alvos da CPMI. O ex-senador disse também que Aécio e seu vice, Clésio Andrade, ofereceram vantagens ilícitas a ele em troca da maquiagem e da exclusão.

Em sua manifestação ao STF, em setembro, Dogde disse que a PF apresentou relatório afirmando que, “no início do segundo semestre de 2005, por intermédio de pessoa não plenamente identificada, Aécio Neves da Cunha e Clésio Andrade ofereceram vantagem indevida a Delcídio do Amaral para que este, na condição de presidente da CPMI dos Correios, viabilizasse o retardamento e a inadequação de remessa pelo Banco Rural de informações bancárias envolvendo as empresas de Marcos Valério”.

No entanto, a procuradora-geral sustentou que a PF não tem perspectivas de encontrar provas.

Outro inquérito sobre Aécio, também sobre fatos antigos, foi arquivado pelo relator, Gilmar, em junho. Naquele caso, o senador tucano era suspeito de lavagem de dinheiro e corrupção passiva em um suposto esquema de corrupção na estatal do setor elétrico Furnas. Essa investigação também havia sido aberta na esteira da delação do ex-senador Delcídio.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Criminosos roubam motorista e são abordados por PMs à paisana

Governo acertou ao restringir reforma a futuros servidores, diz Maia

Policlínica Municipal de Sorocaba terá mutirão de ultrassom e endoscopia

Tributo ao Legião Urbana ocorre neste sábado em shopping de Sorocaba

Liberação de Doria para reabertura apenas na capital deixa prefeitos da Grande SP indignados

Juiz autoriza transferência de Adélio Bispo para hospital psiquiátrico