Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Sabatina com secretário da Saúde é adiada; vereadores querem respostas sobre falta de atendimentos

Secom Câmara Municipal
Postado em: 04/07/2020

Compartilhe esta notícia:

A sabatina com o secretário municipal de Saúde, Ademir Watanabe, com o objetivo de discutir o protocolo de tratamento da Covid-19 em Sorocaba, foi adiada para a próxima terça-feira (7), às 9 horas. Devido a um imprevisto, o secretário não pode comparecer à sabatina que havia sido marcada para a manhã da última quinta-feira (2), no plenário da Casa.

Com a presença da equipe técnica da Secretaria Municipal de Saúde, o presidente da Casa, vereador Fernando Dini (MDB), chegou a abrir os trabalhos no plenário para deliberar sobre sua continuidade com os vereadores presentes, entre eles, o presidente da Comissão Especial de Combate à Covid-19, Anselmo Neto (Podemos), que chegou a aventar a possibilidade de se reunir apenas com os técnicos da secretaria.

Após deliberação com os vereadores – Anselmo Neto (Podemos), Iara Bernardi (PT), Pastor Apolo (PSL), Hudson Pessini (MDB) e Francisco França (PT) –, o presidente da Casa, Fernando Dini, decidiu adiar a sabatina, que, por meio de contato com o próprio secretário Ademir Watanabe, ficou marcada para a próxima terça-feira (7), às 9 horas, quando serão abordados não apenas o tratamento do Covid-19, mas também a falta de atendimento para outras enfermidades na rede básica.

“Reconhecemos a capacidade e o conhecimento profissional da equipe técnica da Secretaria Municipal de Saúde, mas há indagações que só podem ser respondidas pelo secretário”, afirmou Fernando Dini (MDB) ao encerrar a reunião.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Concessão de uso de área para concessionária do BRT é discutida nesta 5ª

Governo do Estado de São Paulo lança vale-gás de R$ 100

Se entrarmos em conflito, ajudamos o governo a jogar o Brasil em recessão, diz Maia

Retrospectiva 2020: relembre acontecimentos que marcaram agosto

Casos de covid-19 na França atingem recorde e mortes aumentam

Remédios terão reajuste de até 5,2%, após aval de Bolsonaro