23 de Fevereiro de 2024
Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Recusa à vacina dá demissão por justa causa de auxiliar de limpeza

Foto: Agência Brasil
Postado em: 17/05/2021

Compartilhe esta notícia:

Fernanda Brigatti, FOLHAPRESS


A 2ª Vara do Trabalho de São Caetano do Sul, no ABC paulista, manteve a demissão por justa causa de uma auxiliar de limpeza hospitalar que recusou a vacina contra a Covid-19.


Para a juíza Isabela Parelli Haddad Flaitt, a imunização "compulsória é perfeitamente legal", devido à possibilidade de a funcionária, ao não aceitar a vacina, se expor à contaminação e colocar em risco colegas de trabalho e pacientes.


Por isso, segundo ela, o direito individual da trabalhadora de abrir mão da vacinação não pode se sobrepor à necessidade de proteger a saúde coletiva. A decisão é do dia 11 de maio.


Entre janeiro, quando teve início a vacinação para profissionais da saúde, e fevereiro, a trabalhadora teria recusado a imunização por duas vezes. Na primeira, recebeu uma advertência. Depois, como manteve a decisão de não tomar a vacina, foi dispensada por falta grave.


Nesse tipo de demissão, o funcionário não recebe a multa de 40% do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviços) e não tem direito a aviso prévio nem ao seguro-desemprego.


A auxiliar de limpeza era funcionária, desde dezembro de 2019, de uma prestadora de serviços contratada por um hospital infantil em São Caetano. A reportagem ainda não localizou representantes da empresa terceirizada.


O advogado Paulo Sergio Moreira dos Santos, que representou a trabalhadora na ação, disse à reportagem que já prepara um recurso ao Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, onde espera reverter a justa causa.


Ele afirma que a ex-funcionária estava com medo de ser vacinada depois de ler relatos na internet de pessoas falando que não tomariam a vacina.


O defensor diz que no período no qual a vacinação dos funcionários do hospital estava sendo realizada, a auxiliar de limpeza não estava se sentindo bem de saúde e achou que era melhor não receber o imunizante naquele momento.


"A empresa não fez campanha pela vacinação, não houve cartaz falando do assunto, nada disso. Apenas pediram que ela fosse tomar a vacina. Ela não foi e tomou uma advertência", diz o advogado.


Passada a primeira recusa, representantes da empresa teriam convocado a funcionária para cobrar a imunização. "Não houve orientação. Apenas chamaram ela em uma salinha, disseram que era um privilégio tomar a vacina", afirma. "Ela ficou com medo de tomar".


No termo de rescisão entregue à auxiliar de limpeza, a empresa afirma que ela estava sendo dispensada por justa causa por ato de indisciplina e insubordinação.


Para o advogado da trabalhadora, a empresa agiu com abusividade. "Entendo que deveria enviar a funcionária para um médico do trabalho, que fizesse um laudo explicando se ela podia ou não ser vacinada", diz.


Na decisão, a magistrada afirma que é "de conhecimento geral e notório que a pandemia de Covid-19 já infectou mais de 15 milhões de pessoas e causou a morte de mais de 422 mil em pouco mais de um ano."


Acrescenta ainda que, segundo a pesquisadora Margareth Dalcomo, da Friocruz, a vacina é a "única e perfeita solução de controle de uma epidemia do parte da Covid-19". Para a juíza, a Lei 13.979 já prevê a obrigatoriedade da vacinação entre as medidas para o enfrentamento da crise de saúde pública decorrente da pandemia.


Além disso, afirma Isabel Flaitt na decisão, o STF (Supremo Tribunal Federal) também considerou que "a previsão de vacinação obrigatória, excluída a imposição de vacinação forçada, afigura-se legítima."


A juíza também cita um guia técnico divulgado pelo Ministério Público do Trabalho, no qual os procuradores consideram possível a dispensa por justa causa quando, mesmo depois de ser informado da importância da imunização para proteção individual e coletiva, o funcionário mantiver a recusa injustificada.


Em fevereiro, a presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), ministra Maria Cristina Peduzzi, disse ao jornal Folha de S.Paulo que considerava difícil o enquadramento da negativa como justa causa.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Organização da Corrida Pink do Bem faz preparativos para a corrida

Prefeitura protocola Projeto de Lei para reembolsar famílias prejudicadas pelas fortes chuvas

Após ataque russo, maior usina nuclear da Europa está em chamas

Projeto de combate ao trabalho infantil na indústria da moda é lançado em Sorocaba

62% veem pandemia fora de controle, e cresce intenção de se vacinar, aponta Datafolha

Após denúncias, Procon Sorocaba fiscaliza posto de combustíveis por irregularidade