Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Por que o plano de governo do prefeito Manga para a Cultura não saiu do papel? - veja a coluna de José Simões

Foto: reprodução
Postado em: 26/08/2021

Compartilhe esta notícia:

SOROCABA/ CULTURA – Passados oito meses do governo do prefeito Rodrigo Manga, qual das ações propostas pelo plano de governo foi efetivada? Indaga a artista sorocabana nas redes sociais.

 

O que foi feito em oito meses com relação ao Plano Municipal de Cultura no cenário pós-pandemia? Não teremos a LINC – Lei de Incentivo a Cultura (mais uma vez), o Teatro Municipal segue do mesmo modo (em ruínas), não há indícios da realização dos prêmios para as Artes Visuais, Literatura; não há projeto próprio; não há uma política cultural definida, etc.

 

O que se ouve ou lê nas declarações dos agentes públicos e políticos da Cultura é um vir a ser ou ”está em planejamento” ou “está no jurídico” (que serve de justificativa para tudo que não se tem resposta efetiva no poder público).

 

Nem pretendo discutir a fragilidade do referido plano de governo. Isto são águas passadas. Mas o fato é que o prefeito Manga foi eleito com este apanhado de coisas. Não pode ser letra morta.

 

Por exemplo: imaginemos um edital de fomento à Cultura e as Artes que seja publicado, no dia de hoje, no Diário Oficial. Serão necessários aproximadamente 90 dias entre inscrições, analise, entrega dos resultados e liberação dos recursos. Quando o artista for iniciar o seu trabalho estaremos em dezembro. Portanto, não teremos fomento à Cultura este ano da cidade. Em tempo: não se pode confundir auxílio com fomento.

 

A impressão que fica é que nestes oito meses faltou a noção de emergência por parte da Secretaria da Cultura. Assim como a faltou ao governo municipal do prefeito Manga a efetiva defesa da Cultura e das Artes (e dos trabalhadores da Cultura).

 

Um apelo

 

Prefeito Manga, não ignore a Cultura e as Artes do município de Sorocaba. Não reduza a complexidade do fazer e da vida cultural e das artes da cidade às questões da Economia Criativa ou a palavra mágica “iniciativa privada”. Sempre que puder valorize, escute e assista o que produzem os artistas populares e não populares (prefeito, mesmo sem apoio da prefeitura muitos artistas têm produzido importantes trabalhos). Utilize as artes como exemplaridade de cidadania e do fazer coletivo no governo sorocabano. Democratize o acesso as artes e a cultura (mesmo não sendo fácil). Sempre que puder valorize os trabalhadores da Cultura. Nossa cidade tem artistas e agentes culturais potentes. Trabalhadores que arregaçam as mangas, brigam, discutem e fazem (basta ver a quantidade de artistas que foram premiados pelo PROAC e outros editais estaduais e nacionais).  Enfim, os dias não estão sendo nada fáceis para os artistas e trabalhadores da Cultura e das Artes sorocabanos. Escute-os, discuta outros pontos de vista e, principalmente, não torne invisível as questões relacionadas à Cultura e as Artes no seu governo. Mais do que nunca precisamos do apoio do poder publico para reconstruir os espaços de fruição artística e estética nas cidades.

 

 “O conceito de cultura está intimamente ligado às expressões da autenticidade, da integridade e da liberdade.” Milton Santos. 

 

José Simões é professor e crítico teatral

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Guarda Civil Municipal prende traficante durante patrulhamento na Vila Sabiá

Parques estaduais e municipais de SP fecham no Natal e Ano Novo

PM assina contrato para aquisição de mais 1.500 pistolas semiautomáticas calibre .40

EXCLUSIVO - "Não dá para pensar em uma 3ª via que não seja Eduardo Leite", diz ex-prefeito Pannunzio

Travesti morre após ser agredida com facadas na Zona Norte

Olavo de Carvalho tem 15 dias para pagar R$ 2,9 mi a Caetano Veloso, diz Justiça