16 de Junho de 2024
Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Pesquisa de SP mostra que vape causa até 6 vezes mais nicotina no organismo

Foto: Governo do Estado de São Paulo.
Postado em: 06/06/2024

Compartilhe esta notícia:

A pesquisa realizada pela Vigilância Sanitária da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo em parceria com o Instituto do Coração (Incor) e o Laboratório de Toxicologia da Rede Premium de Equipamentos Multiusuários da FMUSP aponta que consumo de cigarro eletrônico (vape) provoca níveis de intoxicação no organismo superiores em relação ao cigarro convencional. As informações são do Governo Do Estado de São Paulo. 

 

O estudo inicial, promovido com base nos dados de 200 fumantes de cigarros eletrônicos, detectou que os níveis de nicotina presentes nesses usuários são de três a seis vezes maiores em relação aos fumantes de cigarros convencionais.

 

LEIA TAMBÉM: Saúde de SP conscientiza sobre riscos do tabagismo e oferece tratamento gratuito

 

Os dados preliminares foram apresentados por Elaine Cristine D’Amico, responsável pela equipe de coleta da Vigilância Sanitária Estadual e por Marcelo Filonzi dos Santos, do Laboratório de Toxicologia da Rede Premium de Equipamentos Multiusuários da FMUSP, que participam do estudo com o mapeamento e o processamento de amostras coletadas.

 

“O estudo indica que a intoxicação por nicotina em quem usa o cigarro eletrônico é tão alta quanto, ou até pior, que nos usuários de cigarro tradicional. Também foi notado uma falta de conhecimento entre os mais jovens sobre os riscos de dependência, regras de uso e consumo em ambientes fechados, conforme a Lei Antifumo. Esses dados foram coletados durante a pesquisa por meio de questionários aplicados aos usuários de cigarros eletrônicos/vapes”, explica a médica cardiologista Jaqueline Scholz, diretora do Núcleo de Tabagismo do Incor e coordenadora da pesquisa.

 

LEIA TAMBÉM: Com São Paulo pioneiro, lei antifumo completa 15 anos no estado

 

Atualmente, 3% da população do Brasil utiliza cigarros eletrônicos. “Parar de usar o produto por conta própria é uma fantasia. Trata-se de um produto altamente viciante que contém substâncias extremamente tóxicas, que também afetam as pessoas ao redor. Ao inalar as partículas ultrafinas depositadas no ar, estas chegam ao sistema respiratório, atravessando a membrana pulmonar e causando uma grande inflamação”, esclarece Jaqueline Scholz.

 

A cardiologista do Incor ressalta que os riscos para a saúde dos usuários de vape são equivalentes aos dos usuários de cigarros convencionais com filtro. No entanto, a amplitude desses riscos é potencializada, com uma chance duas vezes maior de ter um infarto ou um AVC. Se o usuário faz uso dos dois tipos de cigarro, o risco é quadriplicado.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Defensoria Pública faz mutirão de reconhecimento de paternidade

Horas após falar em pacto, Bolsonaro volta a criticar governadores e medidas de isolamento

Votorantim registra mais duas mortes por covid-19 nesta quinta

Comissão que pode cassar Crespo finalmente o encontra para notificá-lo

Governo avalia aposentadoria com idade mínima de 65 anos para homem e mulher

Biometria 2019 chega ao fim com mais de 7 milhões de eleitores cadastrados