Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Número de profissionais afastados deve fazer saúde colapsar, diz médica

Foto: reprodução
Postado em: 12/01/2022

Compartilhe esta notícia:

UOL/FOLHAPRESS 

A intensivista e cardiologista Ludhmila Hajjar disse ao jornal O Globo que "em uma semana os sistemas de saúde deverão entrar em colapso no Brasil" pelo aumento no número de infecções de Covid-19.

 


Segundo a médica, o cenário deve ocorrer pela alta de casos, que levará as pessoas a se encaminharem aos ambulatórios, e a quantidade de profissionais da saúde afastados por também estarem contaminados pelo novo coronavírus.

 


Na segunda-feira (10), o mundo registrou um novo recorde de casos de Covid-19 em 24 horas, com mais de 3 milhões de infectados, segundo dados do Our World in Data, projeto ligado à Universidade de Oxford.

 

Dados divulgados na terça (11) pelo consórcio de veículos imprensa mostraram que das últimas 24 horas, o Brasil registrou 73.617 novos testes positivos para a Covid-19.

 


"Pelo ritmo que estamos vendo, em uma semana os sistemas de saúde deverão entrar em colapso no Brasil. O número de infecções aumentará mais ainda nos ambulatórios e provavelmente faltarão mais profissionais da saúde no combate", disse Hajjar.

 

A intensivista explicou que "a maioria dos médicos e enfermeiros foi imunizada com duas doses da CoronaVac e reforço da Pfizer. A CoronaVac foi importantíssima no início, frente à inexistência de outras. Mas ela não protege como as outras em relação a novas variantes."

 


"Muitos de nós seremos infectados. De uma forma mais branda em relação ao que se viu há um ano, quando não havia imunizantes no Brasil. Mesmo assim, seremos afastados", completou a médica.

 


Hajjar -que foi cotada para assumir o Ministério da Saúde, em março de 2021, mas recusou o convite do presidente Jair Bolsonaro (PL)- explicou que apenas na sua área em uma das unidades de saúde em que atua, o Hospital das Clínicas, em São Paulo, já tem 56 profissionais afastados por estarem com a doença.

 


A médica ainda definiu como "perigoso" a possível permissão para profissionais da saúde vacinados com a dose de reforço trabalharem mesmo contaminados.

 


"Temos contato físico muito próximo dos pacientes, o risco de transmissão é alto ainda mais quando se trata da ômicron, que tem uma taxa muito alta de contaminação. Reduzir o tempo de quarentena acho responsável e isso poderá ajudar para cobrir desfalques. Mas ao menos sete dias de afastamento seria prudente."

 


A intensivista finalizou dizendo ser contra o fim da obrigatoriedade no uso de máscaras em ambientes abertos visto o atual cenário da doença no país e no mundo.

 


"Nesse momento, com o número de infectados em ascensão, com o surgimento de novas variantes, ainda com desigualdade na aplicação das vacinas, eu sou contra abolir uso de máscaras, medidas simples, disponível e efetiva contra a Covid-19."

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

GCM de Sorocaba é medalha de ouro no Judô e Jiu-Jitsu

Governo admite que publicou assinatura de Moro na exoneração de Valeixo sem autorização

Número de casos de dengue aumenta para 30 em Votorantim

Novos postos de venda de estacionamento Zona Azul são credenciados em Sorocaba

Lewandowski determina que Bolsonaro dê informações sobre Copa América no Brasil

Ufscar Sorocaba recebe inscrições para nova turma de Especialização em Engenharia de Software