Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Novo ministro, Nelson Teich diz que economia e saúde não competem entre si

Foto: Agência Brasil
Postado em: 17/04/2020

Compartilhe esta notícia:

Daniel Carvalho e Ricardo Della Coletta, FOLHAPRESS


O novo ministro da Saúde, Nelson Teich, disse na tarde desta quinta-feira (16) que está alinhado ao presidente Jair Bolsonaro e que não haverá nenhuma definição brusca sobre isolamento social em meio à pandemia do novo coronavírus, que já matou 1.924 pessoas no Brasil.


"Não vai haver qualquer definição brusca ou radical do que vai acontecer​", disse o substituto de Luiz Henrique Mandetta, demitido pouco antes de Teich ser anunciado.


Em pronunciamento feito ao lado de Bolsonaro, o novo titular da Saúde afirmou que é preciso haver informação para a tomada de qualquer decisão.


"O que é fundamental é que a gente consiga enxergar aquela informação que a gente tem até ontem, decidir qual a melhor ação, entender o momento e seguir neste caminho de definir qual a melhor forma de isolamento, distanciamento."


Teich (pronuncia-se Táich) foi confirmado substituto de Mandetta no dia em que o Brasil atingiu a marca de mais de 30 mil casos confirmados e 1.924 mortes pela Covid-19.


"O que é fundamental é que isso seja cada vez mais, a gente vai falar isso o tempo todo, que isso cada vez mais seja baseado em informação sólida. Quanto menos informação você tem, mais aquilo é discutido na emoção. Isso não leva a nada porque isso é absolutamente ineficiente."


"Tudo aqui vai ser tratado absolutamente de uma forma técnica e científica​", declarou Teich, que afirmou estar em consonância com o presidente. "Existe um alinhamento completo aqui entre mim e o presidente e todo o grupo do ministério. O que a gente está fazendo aqui hoje é trabalhar para que a sociedade retorne, de forma cada vez mais rápida, a uma vida normal."


E, já na mesma toada de Bolsonaro, Teich falou de saúde e economia. 


"Essas coisas não competem entre si. Elas são completamente complementares. Quando você polariza uma coisa dessas, você começa a tratar como se fosse pessoas versus dinheiro, o bem versus o mal, empregos versus pessoas doentes. E não é nada disso."


Em seu pronunciamento, Teich defendeu pesquisa para que se disponibilize remédios ou vacinas para a Covid-19.


"Você vai disponibilizar o que existe hoje em termos de vacina ou em termos de medicamento dentro, essencialmente, o ideal, dentro de coisas que funcionem como projeto de pesquisa", disse.


"Porque isso vai permitir que você colha o maior número possível de informações no espaço mais curto de tempo. Isso vai te ajudar a entender o que faz diferença ou não para as pessoas, para os pacientes e para a sociedade", afirmou Teich, que defendeu também um programa de testes para entender a doença.


"Quanto mais a gente entender da doença, maior vai ser a nossa capacidade de administrar o momento, planejar o futuro e sair desta política do isolamento e do distanciamento. Para conhecer a doença, a gente vai ter que fazer um programa de testes. É fundamental que a gente tenha uma avaliação do que que é esta doença hoje", disse Teich.


Logo após ser apresentado como ministro, Nelson Teich concedeu entrevistas para SBT, Band e Record.


Ao SBT, ele disse ainda não ter definição sobre sua equipe no ministério e defendeu pesquisa para o uso de medicamentos, inclusive a cloroquina, defendida por Bolsonaro.


"A cloroquina faz parte daqueles medicamentos que podem ser eficazes contra a Covid-19.​ O que acontece? Quando você vive situações mais extremas da doença em que a mortalidade é alta, você pode fazer uso de medicamentos. Mas qual é o ideal? É que este uso seja sempre feito de uma forma estruturada, dentro de um planejamento, dentro de um programa de pesquisa", afirmou.


"O que a gente vai fazer é: colhe dado, acelera isso o mais rápido possível, interage com os pesquisadores, tenta ter isso o mais rápido possível para que a gente possa enxergar claramente qual o papel de cada medicamento, de cada vacina, no controle da doença.​"


Na entrevista à Band, o ministro disse que não é possível afirmar se o Brasil já chegou ao pico da pandemia.


"Isso, quem te disser que sabe, está mentindo. Porque não tem como hoje você adivinhar quando é que vai bater o pico da doença. É muito angustiante você navegar em tanta incerteza, onde você tem que assumir que realmente você tem que acompanhar para ver o que acontece."


Na entrevista, ele voltou a defender o alinhamento com Bolsonaro.


"O alinhamento é fundamental para que as pessoas trabalhem juntas, de forma eficiente. Não só entre o Ministério da Saúde [e a Presidência], entre todos os ministérios e outros grupos e pessoas que existam hoje no governo", afirmou Teich.


À Record, o ministro disse que é preciso entender o benefício do isolamento social no combate à pandemia.


"Hoje essas decisões não são baseadas em um conhecimento claro sobre o benefício dele [do isolamento]", disse.


Teich defendeu ser necessário fazer uma política de testagem em massa para avaliar o índice de pessoas infectadas e imunizadas para então avaliar melhor o efeito de medidas de distanciamento.


"Se você não tem isso [as informações], a discussão sobre o tipo de isolamento e que isolamento [total ou parcial, por exemplo], ela vira muito mais uma discussão emocional, de opiniões. É mais uma opinião do que uma estratégia definida com dado claro que você tem que mostra isso", afirmou.


Se hoje Teich prega alinhamento a Bolsonaro, no passado ele já criticou um projeto de lei de autoria do então deputado federal em 2016: o que regulamentava o uso da fosfoetanolamina, conhecida como "pílula do câncer".


Em entrevista ao portal Medscape, especializado em temas ligados à medicina, Teich afirmou que a liberação da fosfoetanolamina foi uma "decisão política e populista". O composto é questionado por médicos e cientistas, e seu uso foi barrado por decisão do STF (Supremo Tribunal Federal).


Durante a discussão do projeto, Bolsonaro defendeu a liberação da fosfoetanolamina para "dar uma esperança" aos pacientes com câncer terminal.


A maratona de declarações públicas e de entrevistas do novo ministro incluiu também sua participação na live semanal do presidente Bolsonaro.


Teich foi perguntado por Bolsonaro sobre a cloroquina. O oncologista respondeu acreditar que estudos sobre medicinas para o coronavírus estarão disponíveis "num tempo relativamente curto".


"A nossa função é fazer que essa solução seja cada vez mais rápida, com base nos dados mais precisos e confiáveis nos estudos maiores. Estamos com vários estudos aqui e acredito que isso vai vir num espaço relativamente curto", declarou.


Na live transmitida nas redes sociais, o novo ministro voltou a defender que saúde e economia sejam tratadas de forma conjunta.


"Um país que cresce economicamente arrasta com ele o crescimento da educação, da saúde, e da possibilidade de investir em algo como infraestrutura e saneamento. Essa separação [entre saúde e economia] é irreal, porque tudo vai influenciar no tempo de vida, na qualidade e no bem-estar da sociedade", afirmou.


Ele disse ainda que a diminuição da atividade econômica reflete também em menos recursos para serviços médicos.


Por último, Teich argumentou que é preciso colher mais dados sobre a incidência e a prevalência da enfermidade no Brasil para traçar com maior facilidade políticas e ações.


"Nesse momento provavelmente -eu posso estar completamente errado- a gente vai ter uma situação em que dificilmente vamos chegar naquele número que teoricamente daria uma imunidade para uma sociedade; e a gente vai ter que discutir, sim, como vai ser a vida das pessoas", concluiu.


A relação entre Bolsonaro e Mandetta estava desgastada havia cerca de um mês por divergências na condução do combate à pandemia do coronavírus. A situação piorou após entrevista do ministro à TV Globo no último domingo (12).


A saída de Mandetta é esperada desde a semana passada. Ainda na manhã desta quinta, o agora ex-ministro disse teria mudança em breve.


"Devemos ter uma situação de troca no ministério que deve se concretizar hoje ou amanhã", disse o agora ex-ministro.


Além da visível perda de sustentação entre os militares, que consideraram o tom da entrevista um ato de insubordinação, Bolsonaro levou em conta que até mesmo alguns líderes do Congresso criticaram o tom do ministro.


A falta de fortes mobilizações nas redes sociais em defesa do titular da Saúde também foi lida pelo presidente como uma brecha para efetuar a demissão.


Na entrevista à Globo, domingo, Mandetta disse que a população não sabe se deve seguir as recomendações do Ministério da Saúde (favorável ao isolamento social) ou de Bolsonaro (crítico de medidas como o fechamento de comércios, por exemplo).


Mandetta também havia criticado quem rompe as regras de distanciamento para ir à padaria, numa crítica a Bolsonaro -o presidente foi na semana passada a um estabelecimento do tipo em Brasília e consumiu alimentos no balcão.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Parque Tecnológico dá sequência ao Coworking Universidades pela internet

Pacheco cancela sessões do Senado após ameaças golpistas de Bolsonaro

Quem reduzir consumo de energia terá bônus na conta, diz secretário

Advogada Andrea Faria explica o que são Direitos Digitais

Rotary faz doação em prol do projeto Maple Kids

Prefeitura faz Campanha Educativa de Sensibilização ao Combate às Queimadas