20 de Junho de 2024
Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

‘Nova CPMF’ vai incidir sobre todas as formas de pagamento, e não só eletrônicas

Jovem Pan News
Postado em: 26/08/2020

Compartilhe esta notícia:

Jovem Pan News

O novo tributo estudado pelo governo federal, conhecido como “nova CPMF”, implicará sobre todas as formas de pagamento, e não apenas em transações digitais, como havia sido anunciado anteriormente durante as discussões da reforma tributária, segundo integrantes do governo ouvidos pela Jovem Pan. O tributo deve incidir 0,2% sobre as transações, com arrecadação estimada em R$ 120 bilhões ao ano. 

A visão do Ministério da Economia é que quanto maior a base de arrecadação, menor será a alíquota, ou seja, quanto mais pessoas contribuírem, mais baixo será o valor para cada um. O tributo será apresentado ao Congresso como uma das alternativas à desoneração da folha de pagamento. A redução de tributos sobre a carteira de trabalho é uma das medidas propostas pelo Executivo para estimular o emprego no país.

O novo imposto ainda não tem data para ser divulgado, e será apresentado somente depois da resolução do Renda Brasil. Auxiliares do ministro Paulo Guedes têm até esta sexta-feira, 28, para apresentar uma nova proposta ao projeto que substituirá o Bolsa Família, para que seja incluso no Orçamento de 2021. Nesta quarta-feira, 26, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou o texto encaminhado pelo Ministério da Economia e afirmou que a proposta está suspensa até Guedes apresentar outra opção.

“Ontem discutimos a possível proposta do Renda Brasil. E eu falei ‘está suspenso’, vamos voltar a conversar. A proposta, como a equipe econômica apareceu para mim, não será enviada ao Parlamento. Não posso tirar de pobres para dar a paupérrimos. Não podemos fazer isso aí”, disse Bolsonaro durante evento em Minas Gerais. 

A crítica pública reacendeu a possibilidade de uma “fritura” de Guedes semelhante ao processo passado por Sérgio Moro semanas antes de deixar o Ministério da Economia. Para auxiliares, no entanto, o episódio não deve influenciar na permanência de Guedes à frente da Economia.

O custo das parcelas e a origem do dinheiro para sustentar o programa de transferência de renda é o principal entrave. Bolsonaro quer que o Renda Brasil tenha mensalidade de ao menos R$ 300 — o mesmo valor estimado para a prorrogação do auxílio emergencial. Nesta semana, Guedes apresentou uma proposta com valor em R$ 247, e afirmou que para alcançar o valor determinado pelo presidente será preciso a dedução de saúde e educação do Imposto de Renda. 

A extinção de outros pacotes de ajuda, como o abono salarial e o seguro-defeso, também é proposto para dar maior musculatura ao projeto idealizado por Bolsonaro. Atualmente, o Bolsa Família paga R$ 190 para aproximadamente 14 milhões de cadastrados, enquanto o Renda Brasil está sendo projetado para beneficiar mais de 20 milhões de brasileiros.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

À Polícia, acusado de matar estudante nega que tenha cometido crime

Fragilizado, Bolsonaro prepara reforma ministerial com líder do centrão na Casa Civil

Prazo para novos alunos se matricularem em escolas estaduais começa nesta 3ª

Cemitérios municipais permanecem fechados no Dia dos Pais

SP recebe 17 mil denúncias de maus-tratos a animais em 2 anos

Dois morrem e outros 9 ficam feridos após van com universitários colidir em carreta