Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Ministro Marcos Pontes vem a Sorocaba e participa de inauguração de Centro de tecnologia 4.0

Foto: reprodução/Facebook
Postado em: 30/04/2021

Compartilhe esta notícia:

O MCTI - Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, em parceria com o Centro Universitário Facens, inaugurou nesta sexta-feira (30), o Centro de Referência IoT e Tecnologias 4.0 FACENS-MCTI, em Sorocaba.


Na oportunidade, o chefe da Pasta, o astronauta Marcos Pontes, participou do evento, que contou também com a presença do prefeito Rodrigo Manga (Republicanos). 

 

O objetivo da iniciativa é criar um local para demonstração prática de soluções em IoT (Internet das Coisas, na sigla em inglês) em áreas definidas pelo ministério como prioritárias no Plano Nacional de Internet das Coisas, como Cidades 4.0, Saúde 4.0, Agro 4.0, Indústria 4.0, Turismo 4.0 e Educação 4.0.

 

O projeto faz parte do Acordo de Cooperação Técnica que será assinado durante a inauguração do Centro entre o Parque Tecnológico de Sorocaba, a Facens e o MCTI. A ideia é que o centro ofereça programas para a promoção do ensino, formação, popularização e divulgação da ciência e tecnologia no país, promovendo o ensino inovador, empreendedorismo e desenvolvimento das demandas locais, com o engajamento da indústria, academia e governo.

 

Para o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, astronauta Marcos Pontes, é papel do MCTI direcionar o uso da Internet das Coisas para a qualidade de vida do país e preparar a população a lidar com as tecnologias do futuro. “Enquanto o avanço das tecnologias vai tornando muitas tarefas mais eficientes e precisas, é preciso lembrar que precisamos criar empregos para as pessoas, alinhados a esse progresso. Nós não podemos parar a tecnologia para manter os postos de trabalho, mas podemos preparar e requalificar os profissionais, assim como formar as novas gerações já adaptadas para esse novo cenário”, afirma.

 

O Centro de Referência estará integrado ao Smart Campus Facens, que é um laboratório voltado a solucionar problemas reais, conectando a comunidade acadêmica, mercado, empresas e sociedade, por meio de projetos que tornem as cidades mais humanas, inteligentes e sustentáveis.

 

Para a professora Regiane Relva, coordenadora-geral do Smart Campus Facens, a iniciativa representa uma oportunidade de levar uma nova forma de educação e desenvolver projetos que integrem a sociedade.

 

“Este é mais um grande passo que a Facens dá em direção à inovação e ao progresso tecnológico e sustentável da nossa sociedade. Nos sentimos muito honrados com esta parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e sabemos que todas as pesquisas e ideias desenvolvidas neste Centro de Referência nos darão mais oportunidades de trazer a educação hands on e de desenvolvermos projetos que integrem todos os atores de uma Sociedade 5.0”, afirma.

 

Sobre o MCTI


O MCTI - Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações é um órgão da administração federal direta, criado em 10 de junho de 2020 com a Medida Provisória nº 980. Com a missão de produzir conhecimento, produzir riquezas para o Brasil e contribuir para a qualidade de vida dos brasileiros, o ministério é responsável pelas políticas nacionais de pesquisa científica e tecnológica e de incentivo à inovação, entre outras atribuições.
Para desenvolver suas atividades, o Ministério ainda conta com unidades de pesquisa, entidades vinculadas e organizações sociais com a missão de garantir e promover o avanço da ciência, tecnologia, inovação e comunicações visando o desenvolvimento sustentável e a melhoria da qualidade de vida da sociedade.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Planalto procura blindar Bolsonaro, mas reconhece desgaste com prisão de Crivella

Nos Emirados, Bolsonaro diz que PSL é como gêmeo xifópago e melhor solução é se separar

SP inicia vacinação contra COVID-19 para idosos de 72 a 74 anos em 22 de março

Bandido furta carro com bebê de 1 ano dentro do veículo

PM intensificará ações após imagem de homem com metralhadora em praça

Escolas públicas reprovaram 2,6 milhões de alunos em 2018, diz Unicef