Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Média móvel de óbitos caiu 60,4% desde o pico da Ômicron, diz Saúde

Foto: Agência Brasil
Postado em: 23/03/2022

Compartilhe esta notícia:

O Brasil registrou queda de 60,4% na média móvel de óbitos por covid-19 desde o pico nas ocorrências causadas pela variante Ômicron. Segundo o Ministério da Saúde, o recuo foi de 895,36, em 18 de fevereiro, para 354,3, registrado na segunda-feira (21). A média móvel de casos caiu 77,7% desde o dia 5 de fevereiro, quando a pandemia atingiu a máxima histórica de casos, registrando média de 183 mil.

 

As informações são da Agência Brasil.

 

De acordo com a pasta, a vacinação contra a covid-19 é a principal responsável pela queda nos registros. Atualmente, 91,38% da população acima de 12 anos está vacinada com a primeira dose (D1) e 85,35% desse mesmo público está imunizada com a dose única ou com a segunda dose (D2).

 

Pesquisa da Universidade de Oxford indica que a vacinação aumenta em até 100 vezes a imunidade contra a doença. Até o momento, 41% do público vacinável tomou o reforço. Atualmente, 59,4 milhões de brasileiros estão prontos para o recebimento da dose de reforço, mas ainda não voltaram aos postos de vacinação. A mesma pesquisa indica 17,6 milhões de pessoas só receberam a primeira dose.

 

Vacinação

 

Ao todo, foram distribuídas 464,8 milhões de vacinas contra a covid-19. Dessas, 391,5 milhões de doses chegaram aos braços dos brasileiros como D1 e D2 – respectivamente 171,8 milhões e 153,7 milhões.

 

Na etapa da dose de reforço, 63,3 milhões de brasileiros acima de 18 anos, público-alvo dessa estratégia, receberam a proteção. Quanto ao público infantil, 8,9 milhões de crianças entre 5 e 11 anos tomaram a D1.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 13 milhões

Guitarrista Eddie Van Halen morre aos 65 anos

Idosos de 60 anos ou mais recebem primeira dose da vacina contra a Covid-19 nesta sexta

Votorantim registra mais 14 casos de covid-19

Biden escolhe latino para ser o novo secretário de Saúde dos EUA

Governo Bolsonaro reitera que horário de verão não resulta em economia de energia