Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Justiça nega habeas corpus a Dr. Jairinho por unanimidade

Foto: Agência Brasil
Postado em: 10/11/2021

Compartilhe esta notícia:

FOLHAPRESS

Três desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro negaram por unanimidade um pedido de habeas corpus feito pela defesa do médico e ex-vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho, acusado de torturar e matar seu enteado Henry Borel, 4, em março.


Jairo e a mãe do menino, Monique Medeiros, estão presos desde abril. O advogado de defesa do político, Braz Sant´Anna, questionou os fundamentos de sua prisão preventiva, pedindo que seu cliente respondesse o processo em liberdade ou que recebesse medidas mais brandas.


De acordo com a denúncia, a babá e a faxineira da casa teriam sido coagidas pelo casal a alterar seus depoimentos. A defesa alegou que Jairinho não teve qualquer participação nesse episódio e que uma das testemunhas sequer o cita em sua declaração.


A defesa também rebateu a tese do Ministério Público de que eles teriam pedido à faxineira que limpasse o apartamento após a morte, o que configuraria fraude processual, e de que estariam tentando fugir quando foram presos na casa da tia-avó dele, em Bangu –afirmando que eles se preservavam do assédio de jornalistas.


No entanto, os desembargadores Joaquim Domingos de Almeida Neto, André Ricardo de Francisco Ramos e Marcius da Costa Ferreira, da 7ª Câmara Criminal do TJ, rejeitaram os argumentos em segunda instância.


O primeiro deles, relator do pedido, afirmou que a decisão em primeira instância "está em consonância com a gravidade e a circunstância dos fatos. O magistrado ressaltou que a colheita das provas de defesa ainda será realizada, justificando por ora a manutenção da prisão", disse o tribunal.


Há duas semanas, a defesa de Jairo divulgou imagens de elevador que mostram o ex-vereador assoprando a boca de Henry na madrugada de sua morte, em uma tentativa de contestar a versão da Polícia Civil e do Ministério Público de que houve omissão de socorro.


Para a advogada criminalista Flávia Fróes, contratada por Dr. Jairinho para um trabalho de investigação defensiva, a Polícia Civil "fez questão de esconder da mídia a respiração boca a boca". Ela afirma que tanto o ex-vereador quanto Monique são inocentes. "É o maior erro judiciário da história da atualidade", disse.


Na primeira audiência sobre o caso no Tribunal do Júri, no início daquele mês, o delegado Henrique Damasceno afirmou que a tentativa de socorro não foi adequada e que assoprar a boca de uma criança no colo não é o procedimento indicado para reanimação.


O Ministério Público argumenta que Jairo cometeu o crime por sadismo. Pela argumentação da Promotoria, o ex-vereador tinha prazer em machucar o menino, enquanto Monique tiraria vantagens financeiras da situação.


Henry foi morto na madrugada de 8 de março, dentro de casa na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. Monique e Jairinho o levaram ao hospital, onde ele já chegou morto e com diversas lesões pelo corpo. O exame de necropsia indicou que ações violentas causaram o óbito.


A partir dos celulares apreendidos com os envolvidos, a polícia descobriu que o vereador já havia se trancado no quarto com Henry ao menos uma vez antes de ele morrer, em 12 de fevereiro. Na ocasião, a babá Thayná Ferreira, 25, narrou por mensagem as queixas do menino em tempo real à mãe.


Tanto a babá quanto a faxineira tinham dito inicialmente que nunca haviam presenciado nada de anormal na relação da família, mas depois mudaram suas versões.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Mutirão de Castração abre inscrição para bairros da Zona Norte de Sorocaba

Equipe da Prefeitura vistoria áreas degradadas em seis pontos da cidade

Mais nove casos da variante Delta são detectados em São Paulo

Barroso diz que abstenção de eleitores foi maior que o desejável

Saúde abre processo seletivo para Agente de Controle de Endemias

Estudo diz que pandemia fez crescer casos de doenças psicossomáticas