Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Justiça do Rio determina que deputado do PSL remova vídeo contra Felipe Neto

Foto: divulgação
Postado em: 18/02/2020

Compartilhe esta notícia:

FOLHAPRESS

A Justiça do Rio determinou nesta segunda-feira (17) que o deputado estadual Bruno Engler (PSL-MG) remova em até 24 horas um vídeo postado por ele em suas redes sociais em que o youtuber Felipe Neto fala sobre sexo. A edição do vídeo, que viralizou na semana passada, dá a entender que o conteúdo era destinado a crianças -ele termina com a imagem uma boneca suja e jogada numa sarjeta.


Segunda sentença do juiz Mario Cunha Olinto Filho, há evidência de ofensa à honra e ao nome de Neto, já que o material divulgado pelo parlamentar seria de fato uma montagem para "dar a entender, de forma maliciosa, que o autor pratica ou incentiva pedofilia ou, no mínimo, divulga material impróprio para crianças e adolescentes."


"Assim, cabe a remoção imediata dos conteúdos ofensivos", afirma o juiz. A decisão se estende às publicações do vídeo feitas também pelo perfil nas redes sociais de Victor Marques, policial militar que trabalha no gabinete do deputado. Caso as postagens não sejam retiradas, o magistrado determinou uma multa diária de R$ 5.000. 


"Os responsáveis por essa campanha difamatória irão pagar pelo que fizeram. Espero que este caso se torne um indicativo de que a era das fake news para arruinar reputações vai chegar ao fim", disse Neto. 


A reportagem tentou entrar em contato com Engler e Marques, mas não obteve retorno até a conclusão deste texto. 


Até a noite desta segunda-feira (17), o vídeo não tinha sido removido das redes sociais de ambos. 

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Relatório final do Caso Satúrnia será apresentado por comissão especial na próxima semana

Sorocaba conta com novo Núcleo de Tecnologia do SENAI-SP

Bombeiros atuam em rescaldo de incêndio que destruiu supermercado

Comissão pela internacionalização do Aeroporto de Sorocaba realiza 1ª reunião com empresários e Executivo

STF permite que estados e municípios vetem cultos e missas na pandemia

“Inacreditável” escancara consequências das falhas no atendimento a vítimas de estupro