Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Justiça contraria Doria e dá aval para manifestações pró e contra Bolsonaro no 7 de Setembro em SP

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress
Postado em: 30/08/2021

Compartilhe esta notícia:

Carolina Linhares, Folhapress

 

Apesar da proibição do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), uma decisão liminar (provisória) concedida nesta segunda-feira (30) pela Justiça garante aos grupos de oposição a Jair Bolsonaro (sem partido) o direito de realizar manifestação no vale do Anhangabaú, na capital paulista, no dia 7 de setembro.

 

No mesmo dia, apoiadores do presidente marcaram um ato na avenida Paulista. A manifestação do Dia da Independência tem sido vista com ressalvas pelas autoridades devido às ameaças golpistas incentivadas por Bolsonaro, além da tensão causada pela anunciada presença de policiais militares à paisana no protesto.

 

Diante desse cenário, Doria chegou a afirmar, na semana passada, que manifestações contrárias a Bolsonaro não poderiam ocorrer no dia 7 em nenhum local do estado de São Paulo. O governador, que se elegeu como aliado do presidente em 2018, mas agora se opõe a ele e quer disputar a Presidência em 2022, argumentou razões de segurança para o veto.

 

Doria afirmou, nesta segunda, porém, que não irá recorrer da decisão. "Não vamos recorrer, portanto vamos seguir a orientação do juiz. [...] Os que são contra Bolsonaro poderão se manifestar no Anhangabaú. E os que são pró-Bolsonaro vão se manifestar na avenida Paulista. [...] O que nós não queremos é um encontro dos que são a favor e dos que são contra, isso seria nocivo e colocaria em risco a integradidade até física dos manifestantes", disse.

 

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) já se prepara para o policiamento de ambos os protestos. Nesta semana, tanto organizadores dos atos de esquerda como os da direita têm reuniões marcadas com a Polícia Militar para tratar do planejamento das manifestações.

 

Apesar da separação geográfica, há risco de conflitos entre grupos antagônicos em estações de metrô e praças usadas como ponto de encontro, por exemplo. O cenário deixa em alerta o comando do policiamento e os próprios articuladores de manifestações.

 

A edição de 7 de Setembro dos atos com a bandeira "fora, Bolsonaro" é organizada em parceria com o Grito dos Excluídos, tradicional levante promovido no feriado da Independência por alas da Igreja Católica. O acordado é que as mobilizações sejam conjuntas em todas as cidades. Já os atos pró-Bolsonaro, com edições em outras capitais, reagrupam a coalizão que ajudou a levar o mandatário ao poder em 2018.

 

A convocação une setores com agendas díspares, incluindo evangélicos, ruralistas, policiais e caminhoneiros, em meio às ameaças ao sistema democrático e às instituições. Na sexta-feira (27), a Campanha Nacional Fora Bolsonaro havia acionado a Justiça para garantir a realização da manifestação de esquerda. A entidade reúne partidos, movimentos sociais e centrais sindicais que fazem oposição ao governo federal e promoveram desde março quatro mobilizações pelo impeachment do presidente.

 

Em sua decisão nesta segunda, o juiz Randolfo Ferraz de Campos, da 14ª Vara de Fazenda Pública, foi enfático ao afirmar que "ninguém tem poder para vetar reuniões". A decisão ainda afirma que o Governo de São Paulo deve garantir a segurança dos manifestantes e cumprir a decisão -não deliberar nada em sentido contrário.

 

O juiz ressaltou, com uso de negritos e caixa alta, que a Constituição estabelece que "todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em locais abertos ao público, independentemente de autorização, desde que não frustrem outra reunião anteriormente convocada para o mesmo local, sendo apenas exigido prévio aviso à autoridade competente".

 

Campos lembrou que batalhões distintos da Polícia Militar serão acionados para cada um dos atos e que a própria Secretaria de Segurança Pública de São Paulo afirmou que as forças de segurança estão preparadas para a ocasião. ​"Não caber falar em ausência de condições materiais para atender ao quanto necessário para o transcurso das reuniões simultaneamente, não há que se falar em necessidade de liminar para assegurar a reunião para o vale do Anhangabaú [...], pois este juízo não tem de autorizar o que a Constituição Federal prevê e assegura -o direito de reunião sem necessidade de autorização", diz a decisão.

 

A liminar se deu no âmbito de uma ação judicial do ano passado, quando grupos contrários a Bolsonaro e favoráveis a ele chegaram a se encontrar em ato na avenida Paulista que terminou em confusão. Após o episódio, em junho de 2020, a Justiça determinou que o principal palco de protestos na capital paulista fosse revezado entre grupos de situação e de oposição.

 

De lá para cá, houve protestos antagônicos no mesmo dia, mas não no mesmo local, em pelo menos duas ocasiões. Em 7 de junho de 2020, torcidas organizadas e grupos de esquerda lotaram o Largo da Batata, enquanto o ato pró-Bolsonaro, de público menor, foi realizado na avenida Paulista. No fim de semana seguinte, os bolsonaristas foram para o Viaduto do Chá, enquanto os opositores ocuparam a Paulista.

 

Apesar dos precedentes, diante do receio de que Bolsonaro, que é esperado para o ato em São Paulo, use a ocasião para uma tentativa de ruptura institucional, Doria afirmou, na quinta (26), não haver conveniência para a realização das manifestações no mesmo dia.

 

O tucano argumentou que a realização de ações simultâneas "põe em risco a segurança dos manifestantes" e "divide o esforço de segurança pública". Doria disse ainda que a SSP vetaria protestos contra o presidente não só em São Paulo, mas em todo o estado.

 

O veto levou os opositores de esquerda a buscarem a Justiça na sexta argumentando que a decisão de Doria contrariava o direito de manifestação garantido pela Constituição. Mas, mesmo antes da decisão desta segunda, o governo Doria já havia recuado na proibição.

 

A derrota judicial era prevista, segundo a reportagem apurou. Isso porque, na sexta, o juiz Campos já havia proferido decisão para esclarecer que a Justiça proibia manifestações antagônicas no mesmo espaço, a avenida Paulista, mas que o veto não valia para qualquer outro local da cidade -contrariando a visão do governo Doria. "Já para local distinto [da avenida Paulista], em respeito à regra constitucional, não há vedação possível, tanto por este juízo como por qualquer outro órgão público (ou mesmo por particulares)", afirmou o magistrado.

 

A partir disso e diante da orientação de Doria de não recorrer, a gestão estadual passou a considerar a realização concomitante dos atos. "A SSP se posicionou de forma contrária à realização de atos conflitantes no mesmo dia levando em consideração os riscos de confronto entre os grupos e de possíveis violações à integridade física dos participantes. Como de praxe, entretanto, as forças de segurança estarão preparadas para acompanhar os atos públicos e irão adotar as medidas necessárias para assegurar o direito de todos à livre manifestação política", afirmou a secretaria no sábado (28).

 

A decisão de sexta também foi provocada pela Campanha Fora Bolsonaro. A entidade questionava a decisão da PM, endossada pela gestão Doria, de que, considerando o revezamento da avenida Paulista, o dia 7 caberia aos grupos de apoio a Bolsonaro.

 

O ato de esquerda havia sido inicialmente convocado para a própria avenida Paulista. A campanha, portanto, contestou o entendimento da PM e abriu uma disputa pela Paulista. Porém, depois de pressionar Doria na tentativa de reverter o quadro e fracassar, o grupo desistiu da briga e transferiu a concentração para o Anhangabaú na semana passada.​

 

A proibição de Doria à manifestação mesmo em local diferente abriu um novo capítulo do imbróglio e levou ao novo questionamento na Justiça -resolvido, a princípio, nesta segunda e que reforçou a decisão anterior.

 

O veto do governador foi atacado por especialistas da área do direito e políticos de partidos de esquerda, que apontaram inconstitucionalidade.

 

Mesmo diante das derrotas na Justiça, aliados de Doria não veem precipitação na sua atitude ou prejuízo a sua imagem. A proibição por motivos de segurança é defendida, mas há o entendimento de que, se a Justiça definiu a realização de ambos os atos, a decisão deve ser cumprida.

 

Tucanos afirmam que Doria, ao se posicionar contra os opositores de Bolsonaro mesmo sendo notória sua posição contrária ao presidente, agiu como estadista e sem viés político. Eles minimizam a avaliação de que a decisão de Doria favoreceu bolsonaristas e cerceou a liberdade de manifestação. Já integrantes da Campanha Fora Bolsonaro criticam a gestão Doria por conceder a Paulista a um protesto que deve incluir pautas autoritárias e golpistas.

 

Os grupos de esquerda questionam ainda a atitude do governador de tentar empurrar os atos de esquerda para o dia 12, quando está marcado um ato de oposição ao governo federal articulado por MBL (Movimento Brasil Livre), VPR (Vem Pra Rua) e líderes de partidos como Novo e PSL.

 

Nesta segunda, Doria se referiu aos atos do dia 12 como "a grande manifestação contra Bolsonaro".

 

A iniciativa ligada a setores da direita também expressará apoio a uma terceira via para as eleições de 2022, como opção a Bolsonaro a ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O governador paulista busca se colocar como o presidenciável do PSDB e ocupar esse espaço. Até agora, a ideia dos grupos de oposição à esquerda e à direita é manter seus atos de forma separada.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

BB torna-se primeiro banco a oferecer crédito pessoal pelo whatsApp

Pesquisa do IBGE mostra enfraquecimento do mercado de trabalho em 2020

Procon Votorantim dá dicas para trocas de presente

Empreendimento inovador no Campolim chega para atender as demandas da vida moderna

GCM e PM promovem nova “Operação Saturação” para coibir “pancadões” e eventos clandestinos no fim de semana

"Haverá muitas mortes" por coronavírus nos próximos dias, diz Trump