Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Justiça analisa ação que pode cassar candidatura de Rodrigo Manga

Foto: Assessoria de Imprensa
Postado em: 19/10/2020

Compartilhe esta notícia:

 

A Justiça Eleitoral de Sorocaba recebeu do promotor Fabrício Pereira de Oliveira o pedido para cassar o registro da candidatura de Rodrigo Manga (Republicanos) por fraude e abuso de poder. A ação está na fase de acolhimento e instrução.

 

O Ministério Público aceitou a denúncia impetrada pelo candidato Flaviano Agostinho de Lima, do Avante, que acusa Manga de prejudicá-lo no pleito, por meio de destituição da primeira comissão provisória do seu partido (Avante), sendo, conforme a denúncia, Manga o interessado pela nomeação de uma segunda comissão provisória, com o objetivo de apoiá-lo durante a campanha, em detrimento do próprio Flaviano.

 

Ao todo, o MP arrolou seis testemunhas na ação. Segundo o promotor, Manga “está disposto a conquistar seu propósito a qualquer custo”, referindo-se ao fato de o candidato adversário de Flaviano ser o responsável por “prejudicar” a candidatura do concorrente do Avante ao pleito.

 

Além da cassação da candidatura de Manga e seu vice de chapa, Fernando Martins da Costa Neto, o MP pede a inexigibilidade, no final do processo, por oito anos de todos os envolvidos, entre eles outras três pessoas (dois membros do Avante e um candidato a vereador por outro partido).

 

Entenda a Ação

 

Às vésperas de registrar a candidatura à Prefeitura de Sorocaba, no final de setembro, Flaviano Agostinho de Lima foi surpreendido com a destituição da comissão provisória que permitia o seu ingresso na concorrência ao pleito municipal.

 

A destituição aconteceu de forma unilateral, como discorre o candidato na ação, sem consulta, e até mesmo sem a possibilidade de justificativa ou argumentação. Uma nova comissão provisória foi formada (a segunda), com a intenção de não levar candidatura própria avante do Avante, mas sim com o objetivo de apoiar Manga.

 

Flaviano, então, conseguiu na Justiça a possibilidade, por meio de liminar, de prosseguir com o seu objetivo e reagrupou novamente a primeira comissão provisória, que fora destituída, conseguindo registrar a sua candidatura.

 

Defesa de Manga

 

Por meio de nota ao Ipa On-line, a coligação da qual Manga faz parte informou que o candidato “tem sido vítima da judicialização da campanha eleitoral e, dentre várias ações impostas pela oposição, já obteve êxito na grande maioria delas”.

 

A respeito da ação que pede a sua cassação e inexigibilidade, a assessoria da campanha diz que o candidato “tem a tranquilidade e a certeza de que se trata de mais uma tentativa infrutífera de ataque”.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Pink Run Solidária em prol da Asipeca e Mais Vida

Operação Verão vai reforçar o policiamento no litoral de São Paulo

Moradores reclamam de bailes funks em Sorocaba:

Motorista de caminhão que atropelou e matou trabalhador vai responder pelo crime em liberdade

Quadrilha tira R$ 5 milhões de mulher em esquema com sede falsa da Polícia Federal

Bandido é preso no dia do aniversário após tentativa frustrada de roubo a açougue