Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Governo Doria prevê distribuir vacina da Janssen por todo o estado

Postado em: 22/06/2021

Compartilhe esta notícia:

Igor Gielow, FOLHAPRESS


Apesar da suspensão de um dia anunciada da vacinação contra Covid-19 por falta de imunizante na cidade de São Paulo, o governo João Doria (PSDB) mantém por ora a decisão de distribuir por todo o estado as novas doses que chegarão nesta terça (22).


Um avião trará a Guarulhos 1,5 milhão de doses da vacina da Janssen, de aplicação única. Quase 23% do lote ficará em São Paulo, segundo a divisão do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde.


Havia uma expectativa, entre integrantes da gestão municipal da Saúde na capital, de que a cidade pudesse ficar com todas as doses.


Mas a ordem no Palácio dos Bandeirantes, ao menos até a noite da segunda (22), era de manter a distribuição proporcional. Áreas do interior estão novamente em momento agudo de crise, com lockdowns decretados.


A suspensão da vacinação causou contrariedade no governo paulista, mas a definição era a de buscar uma solução conjunta e não estimular o atrito entre a gestão Doria e a do prefeito Ricardo Nunes (MDB), que herdou a cadeira do tucano Bruno Covas, morto em maio.


Na avaliação do governo, houve um "soluço" na distribuição na capital provavelmente devido ao fato de que a prefeitura adiantou a vacinação da chamada "xepa" para todos os maiores de 18 anos.


O diagnóstico, contudo, não era conclusivo e carecia de respaldo da área técnica, que não tinha fechado uma avaliação.


O próprio governo estadual havia adiantado, segundo sua área técnica baseado em previsões que incluíam eventuais falhas de fornecimento de insumos da China, em duas ocasiões o calendário da vacinação.


Seja como for, não é de hoje que há estranhamentos entre o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, e membros da administração estadual acerca da condução da crise. Houve divergências sobre reabertura de comércio, feriados prolongados, circulação de ônibus.


Mas o fato de o prefeito agora ser Nunes, que apesar de ser bem-visto no Bandeirantes ainda é visto como uma incógnita na relação com Doria, deverá desestimular críticas públicas de lado a lado. Potenciais aliados para 2022, PSDB e MDB ainda se estudam na prática do governo municipal.


Além de ser a questão mais grave enfrentada por governos neste momento, a vacinação é revestida de forte caráter político em São Paulo.


Doria, que na semana passada confirmou ao jornal Folha de S.Paulo que quer ser candidato a presidente em 2022, assumiu a liderança na busca por imunizantes e no manejo da crise sanitária com critérios científicos já no ano passado.


Com isso, estabeleceu-se como antagonista do presidente Jair Bolsonaro, seu eventual rival no ano que vem, que aposta numa abordagem negacionista da tragédia que já matou mais de 500 mil brasileiros.


O próprio Doria já qualificou a vacina e os esforços na pandemia como ativo eleitoral, e seu entorno trabalha com a aposta na fabricação da chinesa Coronavac e o desenvolvimento da Butanvac, ambas no Instituto Butantan, como um dos pilares de sua eventual campanha ao Planalto.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Índices de confiança do comércio e serviços sobem em junho, diz FGV

Vereador cobra explicações sobre falta de insumos na rede municipal de saúde

Beleza com acabamento de qualidade em coifas

Casos da variante Delta do novo coronavírus ultrapassam os 130 no Brasil

Prefeitura define a empresa responsável pelo concurso público da Educação

Tango Tango Tango - veja a coluna de José Simões