Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Governo admite que publicou assinatura de Moro na exoneração de Valeixo sem autorização

Foto: Agência Brasil
Postado em: 25/05/2020

Compartilhe esta notícia:

Fábio Fabrini e Matheus Teixeira, FOLHAPRESS

Em ofício encaminhado à Polícia Federal, a Secretaria-Geral da Presidência admite que a assinatura de Sergio Moro foi incluída no ato de exoneração de Maurício Valeixo da diretoria-geral da Polícia Federal sem a ciência do então ministro da Justiça e Segurança Pública.


A informação de que Moro não havia assinado o despacho foi revelada pela Folha de S.Paulo na manhã de 24 de abril, após a publicação da demissão.


O órgão justifica que é praxe acrescentar o nome do ministro relacionado à publicação do Diário Oficial da União em questão e, por isso, a assinatura de Moro endossou a demissão de Valeixo. O governo alega que houve um descuido, mas não uma ilegalidade.


O presidente Jair Bolsonaro é investigado por falsidade ideológica pela Procuradoria-Geral da República (PGR) no inquérito que apura a veracidade das acusações do ex-juiz da Lava Jato contra o chefe do Executivo.


Isso porque, ao pedir demissão do governo em 24 de abril, Moro afirmou que não havia assinado o decreto de exoneração de Valeixo divulgado horas antes de anunciar que sairia do ministério.


A investigação em curso no STF também apura as declarações do ex-ministro de que deixou o cargo porque não tinha aceitado a ingerência política na PF pretendida por Bolsonaro.


O presidente chegou a postar nas redes sociais a imagem do ato de exoneração que indicava que foi "a pedido de Valeixo" e contava com o endosso de Moro como prova de que nunca quis interferir na PF.


Horas depois, no entanto, o governo republicou o ato sem a assinatura do ex-ministro.


"Verifica-se da situação concreta que, como na data da publicação do decreto -24 de abril-, Sergio Moro ainda era ministro da Justiça e Segurança Pública, essa foi a simples e única razão pela qual o seu nome fora indicado no corpo da publicação para fins de referenda", diz o documento.


O ofício foi enviado depois de a PF pedir detalhes sobre a elaboração do decreto de exoneração a fim de avaliar se houve crime de falsidade ideológica.


Em depoimento no inquérito, Moro disse o oposto do que alega a Secretaria-Geral da Presidência. De acordo com o ex-ministro, enquanto esteve no governo, nunca houve a publicação de um decreto com seu nome sem que tivesse assinado o documento.


"Decretos assinados pelo Presidente da República e em concurso com o declarante, quando sua origem era um ato produzido pelo MJSP, o que seria o caso da exoneração do diretor Valeixo, sempre eram assinados previamente pelo declarante pelo sistema eletrônico SIDOF antes de encaminhados ao Planalto; que nunca, pelo que se recorda, viu antes um ato do MJSP ser publicado sem a sua assinatura, pelo menos, eletronicamente", disse Moro.


Segundo a Secretaria-Geral da Presidência, porém, é "após a publicação em Diário Oficial, quando for o caso, que haverá a colheita da assinatura da referenda no documento físico".

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Um a cada cinco mortos pela Covid-19 em SP tem menos de 60 anos

Após Sorocaba, Butantan detecta nova variante sul-africana na Baixada Santista

Homem morre prensado em parque de diversões em Itu

Governo pede censura de ‘Lindinhas’ e apuração de pornografia infantil por Netflix

Santa Casa volta a ter 100% de ocupação por Covid-19 em UTI e leitos clínicos

Vigilância Sanitária interdita estabelecimento de estética e cuidados com a beleza na Zona Sul