Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Fundão turbinado vai dar mais de R$ 1 bilhão para alianças de Lula e Bolsonaro

Foto: Marlene Bergamo/Folhapress
Postado em: 20/12/2021

Compartilhe esta notícia:

Camila Mattoso, Folhapress

 

As prováveis alianças que se formarão em torno das chapas de Lula (PT) e de Jair Bolsonaro (PL) vão contar com mais de R$ 1 bilhão de dinheiro público do Fundo Eleitoral cada uma, caso o valor chegue a R$ 5,7 bilhões, como autorizou o Congresso com a derrubada do veto.

 

Com PSB, PSOL e PC do B, o ex-presidente e os candidatos dessas siglas terão R$ 1,07 bilhão e Bolsonaro e outros postulantes ao seu lado, com PP e Republicanos, R$ 1 bilhão. O valor ainda precisa ser definido no Orçamento de 2022, nesta segunda-feira (20).

 

Caciques partidários afirmam que o montante pode ficar menor que os R$ 5,7 bilhões e que conversas sobre o assunto ainda estavam sendo feitas neste domingo (19).

 

Se a candidatura de Sergio Moro (Podemos), por exemplo, tiver apenas sua legenda, o ex-juiz e os candidatos a outros cargos terão R$ 259,67 milhões. Caso consiga apoio da União Brasil, o ex-ministro de Bolsonaro será o recordista, com R$ 1,3 bilhão.

 

Nas redes sociais, Moro fez críticas ao Congresso por ter permitido aumento. Ele disse que seu partido se opôs. Na verdade, a sigla orientou contra, mas dois dos 11 deputados do Podemos votaram a favor e um se ausentou.

 

No mundo político, a especulação é sobre se o ex-juiz usará desse dinheiro para a campanha e, assim como Bolsonaro, terá postura contraditória em relação ao fundo agora turbinado. ​

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Promotoria faz denúncia contra mulher que acusa Neymar de estupro

Vídeo: grupo faz chimpanzé fumar cigarro em santuário dos primatas

Aparecidinha recebe recapeamento das vias de paralelepípedo na entrada do bairro

Fábrica Festival anuncia cancelamento de evento em Sorocaba

Chimpanzé escapou do zoo no momento da alimentação; ela voltou sozinha para recinto

Assessora de Ministro da Educação de Bolsonaro defende `princípios bíblicos´ na educação