Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Flexibilizar emprego pode compensar desoneração sem precisar criar imposto, diz Maia

Foto: Agência Brasil
Postado em: 10/10/2020

Compartilhe esta notícia:

Danielle Brant, FOLHAPRESS


A criação de um modelo de formalização de emprego mais flexível que o regime de CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) poderia compensar a desoneração das empresas e evitar a criação de um novo imposto para equilibrar a perda de arrecadação do governo.


A avaliação é do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que participou, na noite desta sexta-feira (9), de uma transmissão do portal Antagonista, na primeira entrevista desde que se recuperou do novo coronavírus.


Ao comentar a narrativa do governo de que seria necessário criar um imposto para compensar a perda de receita, o deputado, recém-reconciliado com Paulo Guedes, fez alusão a uma proposta do ministro da Economia de estabelecer uma carteira verde e amarela.


Seria um modelo com regras trabalhistas menos flexíveis, a exemplo do que se tentou fazer com a medida provisória 905, aprovada na Câmara, mas barrada no Senado.


"Tem uma outra alternativa, que o ministro Paulo Guedes falou outro dia, que seria a criação de um novo modelo, a carteira verde e amarela, como ele chama, que seria um modelo com regras diferentes e custos trabalhistas diferentes da CLT para as pessoas que estão fora do mercado de trabalho, e que isso poderia gerar também uma formalização de mão-de-obra, uma criação de empregos em outra regra", afirmou.


Maia admitiu que a medida atrai críticas de políticos que argumentam que tiraria direitos trabalhistas, mas afirmou que "talvez seja menos danoso que a criação de um imposto."


"O mais importante dessa narrativa é que ninguém quer pagar mais impostos", disse Maia, que propôs que o governo explique como a criação de um imposto para desonerar as empresas teria saldo benéfico para a sociedade.


"E a outra opção seria isso, a carteira verde e amarela, que talvez pudesse resolver também a questão do imposto, sem essa troca da criação do imposto e a desoneração da folha."


O presidente da Câmara também chamou de "besteira" e "briga menor, desnecessária, que não vai levar a lugar nenhum" a disputa pelo comando da CMO (Comissão Mista de Orçamento).


Com o apoio do deputado Arthur Lira (PP-AL), que pretende suceder Maia no comando da Câmara, um grupo tenta emplacar o nome da deputada Flávia Arruda (PL-DF) como presidente do colegiado. No entanto, acordo anterior do antigo blocão, formado, na época, por DEM e MDB, previa que o posto seria ocupado pelo deputado Elmar Nascimento (DEM-BA).


A disputa impede a instalação da CMO e atrasa a discussão do Orçamento de 2021. Maia criticou a demora de construção do texto e afirmou haver "um certo ambiente para se deixar isso para depois da eleição municipal", o que ele considerou "muito ruim".


"Em vez de a gente ficar gastando as nossas energia com uma comissão que hoje é irrelevante, porque o orçamento público hoje não tem espaço para nada, o espaço é apenas para aprovar as despesas correntes e mais as discricionárias que estão relacionadas à manutenção da máquina, vamos primeiro unir esforços para organizar a PEC Emergencial", defendeu, sobre a proposta que cria mecanismos para ajuste fiscal.


"Aí, de repente, se a gente conseguir promulgar essa PEC, aprovar, aí nós vamos ter sobre o que brigar", afirmou.


Na conversa, Maia afirmou que pretende pautar a PEC da prisão após condenação em segunda instância até 17 de dezembro, quando acaba o ano legislativo. O deputado comentou ainda que, ao receber o diagnóstico de Covid-19, recebeu de Jair Bolsonaro uma foto em que o presidente segurava cloroquina. "Achei simpático".


A entrevista, que corria com clima descontraído, foi encerrada por Maia depois que o presidente da Câmara se irritou com um vídeo em que o procurador Hélio Télio fez uma pergunta sobre improbidade administrativa em tom crítico a Maia.


O deputado contestou as afirmações, disse que o procurador estava sendo grosseiro e desligou a câmera.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Escola municipal do Wanel Ville tem fiação elétrica furtada

Tem alguns idiotas que até hoje ficam em casa, diz Bolsonaro sobre isolamento na pandemia

Jovem espancada em CDP durante visita íntima será sepultada nesta 3ª

‘Deus não mandou a pandemia’, diz o padre Reginaldo Manzotti; veja o vídeo

Invisto ou desisto?

"Quero ser petista com o mesmo orgulho com que sou gay", diz Jean Wyllys na filiação ao PT