Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Exames entregues por Bolsonaro à Justiça apontam resultado negativo para coronavírus

Arquivo
Postado em: 13/05/2020

Compartilhe esta notícia:

Matheus Teixeira e Mônica Bérgamo, da Folhapress

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teve três resultados negativos em exames para o novo coronavírus, segundo laudos entregues pela AGU (Advocacia-Geral da União) à Justiça.

Os resultados negativos indicam os nomes de Airton Guedes, Rafael Ferraz e, no terceiro, "Paciente 05". Nesse último, diferentemente dos demais, não aparece nenhum dado pessoal de Bolsonaro.

Nos outros dois, o presidente, no entanto, manteve sua identificação assegurada ao informar ao laboratório seus documentos pessoais de forma correta, como o RG e o CPF, além da data de nascimento, o que tornaria inequívoco que os exames são de fato dele.

Ao STF (Supremo Tribunal Federal), a AGU justificou que o governo adotou "medidas de segurança em relação aos exames, com o intuito de preservação da imagem e privacidade do presidente da República".

A decisão de usar os pseudônimos, segundo documentos enviados ao Supremo, foi tomada consensualmente entre o Hospital das Forças Armadas -parceiro dos laboratórios- e a Presidência.

Os testes foram realizados nos dias 12, 17 e 18 de março e entregues, na terça-feira (12), ao ministro Ricardo Lewandowski, do STF, relator da ação em que o jornal O Estado de S. Paulo pedia para o magistrado obrigar o presidente a divulgar os exames.

O ministro do STF determinou nesta quarta-feira (13) a juntada dos laudos ao processo e declarou a ação prejudicada por ter perdido o objeto após a entrega dos exames pela AGU.

"De toda a sorte, a União, ao submeter os laudos dos exames a que se sujeitou o Presidente da República, para a eventual detecção da Covid-19, acabou por atender o pleito que a reclamante formulou no bojo da mencionada Ação Ordinária ainda em tramitação na primeira instância, dando, assim, integral cumprimento à tutela antecipada concedida pelo juízo de origem", afirmou Lewandowski.

Em primeira instância, a juíza federal Ana Lúcia Petri Betto, da 14ª Vara Cível Federal de São Paulo, havia determinado que o governo fornecesse os laudos médicos feitos pelo presidente para a detecção da Covid-19.

A AGU, então, entregou relatórios médicos, não os laudos dos exames. A magistrada considerou que a entrega dos relatórios "não atendia de forma integral à determinação judicial" que deu acesso ao jornal os laudos dos exames do presidente para a Covid-19.

A AGU recorreu ao TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) e não conseguiu rever a decisão. "Apenas os próprios exames laboratoriais poderão propiciar à sociedade total esclarecimento", afirmou o juiz federal do TRF-3 André Nabarrete.

O órgão que faz a defesa judicial do governo alegou que a determinação violava a "intimidade da vida privada" do presidente. Bolsonaro já afirmou diversas vezes que não contraiu a doença, mas se negava a apresentar o resultado dos exames.

No STJ (Superior Tribunal de Justiça), porém, o presidente da corte, ministro João Otávio de Noronha, permitiu que Bolsonaro não entregasse o resultados dos testes que fez.

"Agente público ou não, a todo e qualquer indivíduo garante-se a proteção à sua intimidade e privacidade, direitos civis sem os quais não haveria estrutura mínima sobre a qual se fundar o Estado Democrático de Direito", argumentou Noronha em sua decisão.

No último dia 30, Bolsonaro voltou a declarar que talvez tenha sido contaminado pelo novo coronavírus no passado e não tenha sentido sintomas da doença.

"Eu talvez já tenha pegado esse vírus no passado, talvez, e nem senti", disse em entrevista à rádio Guaíba.
Na mesma entrevista, Bolsonaro afirmou não estar acometido pelo vírus, mas argumentou que os testes pertencem à sua intimidade.

"Eu já falei que não estou acometido. Em dois exames que fiz, por livre e espontânea vontade, isso pertence à minha intimidade. Agora, mandei recorrer [da decisão judicial]. Por quê? Porque pertence à minha intimidade. É um direito que eu tenho como presidente da República e [um direito] do cidadão também na ponta da linha", afirmou Bolsonaro.

"Então não cabe à Justiça se intrometer nessa questão, até porque a lei está ali. Agora, não tenho problema: se no final da linha a Justiça decidir eu vou apresentar", acrescentou.

Em 20 de março, Bolsonaro deu uma declaração semelhante. "Aqui em casa, toda a família deu negativo. Talvez, eu tenha sido infectado lá atrás e nem fiquei sabendo. Talvez, e estou com anticorpo."

O presidente realizou exames para a doença depois de vários de seus assessores terem retornado com ele de viagem presidencial aos Estados Unidos no início de março com a doença.

O primeiro caso no Palácio do Planalto foi o do chefe da Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social), Fabio Wajngarten, diagnosticado com o vírus logo após o retorno da comitiva presidencial.

Entre membros da comitiva oficial e pessoas que estiveram com Bolsonaro durante a viagem, ao menos 25 pessoas contraíram a doença.

Entre eles, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS); o diplomata Nestor Forster, indicado para o cargo de embaixador do Brasil em Washington; a advogada Karina Kufa, tesoureira do Aliança pelo Brasil; o número 2 da Secom, Samy Liberman; o chefe de cerimonial do Ministério das Relações Exteriores, Alan Coelho de Séllos; e o presidente da Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações), Sergio Segovia.

Dois ministros do governo já receberam teste positivo para o novo coronavírus: o general Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Bento Albuquerque (Minas e Energia).

O último membro do alto escalão do governo a contrair a Covid-19 foi o porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

‘Eu vejo, eu ouço’, diz Moro sobre manifestações em seu apoio

Sorocaba registra 22 casos confirmados do novo coronavírus; nove estão internados

Incerteza nos mercados globais faz dólar alcançar R$ 5,79, maior cotação desde maio

Sequência de “Animais Fantásticos” é o principal destaque entre as estreias nos cinemas

Blitz de controle de ruído emitido por escapamentos de motocicletas ocorre na Zona Leste

Governo estuda MP para auxílio emergencial com valor abaixo de R$ 600