Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Ex-marido é condenado a 15 anos de prisão por decepar as duas mãos da mulher

Postado em: 18/07/2019

Compartilhe esta notícia:

Pablo Rodrigo, FOLHAPRESS

A Justiça de Mato Grosso condenou Jair da Costa a 15 anos e 6 meses de prisão em regime fechado por ter arrancando as duas mãos de sua companheira com golpes de facão.
A tentativa de feminicídio contra Geziane Buriola da Silva ocorreu no dia 10 de abril de 2017 em Campo Novo do Parecis (396 km a noroeste de Cuiabá).

O julgamento ocorreu na última sexta-feira (12). O júri reconheceu a autoria do crime e culpou Jair. Ele não tem direito a recorrer em liberdade. Costa está preso desde o dia do crime na cadeia pública da cidade.

Segundo a denúncia do Ministério Público de Mato Grosso, no dia do crime, o casal teria ingerido bebida alcoólica durante o dia todo. À noite a mulher foi agredida e não conseguiu escapar do agressor, recebendo golpes no rosto, cabeça, abdome, além de ter as duas mãos e os punhos arrancados.

Com os gritos da vítima, seus vizinhos foram para a sua residência e depararam com a tentativa de homicídio. O réu tentou escapar, mas foi capturado por pessoas que tentaram linchá-lo. Após ser espancado, a Polícia Militar chegou no local e o prendeu.
Segundo a polícia, na época, o homem confessou o crime e disse que queria matar a companheira alegando que ela o teria traído.

Geziane Buriola ficou 20 dias em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e passou por um longo período de tratamento. A vítima tem diagnostico de depressão por causa de seu estado físico.

Na época do crime, o marido alegava que estaria sendo traído e por isso teria agredido a mulher, o que foi desmentido pela vítima.

À Folha de S.Paulo Geziane diz que ficou decepcionada com a pena de pouco mais de 15 ano do seu ex-companheiro.

“É muito pouco. Eu queria que ele pegasse muito mais, porque nada justifica o que ele fez”, diz. “A promotora me disse que, infelizmente, esse é o Brasil em que vivemos”.

Hoje a vítima mora sozinha com um casal de filhos, de 13 e oito anos. Ela chegou a conseguir próteses. No entanto, reclama por ela não ser flexível. “Ela é de plástico e dura. Não tem muito movimento. Serve mais para me alimentar, segurar copo”, diz.

Segundo ela, mesmo com as dificuldades, consegue fazer os serviços domésticos, como comida, lavar roupa e cuidar da casa. “Gostaria de conseguir uma prótese mais móvel. Só que custa mais de R$ 200 mil e eu não tenho condições”.

Já a mãe de Geziane fala sobre o que considera “frieza” do ex-genro, que segundo ela, na época do crime teria admitido que a intenção era assassiná-la. Já no julgamento teria dito apenas que a intenção não era “matá-la” e que agiu de “cabeça quente” e estava arrependido.

“A gente vê frieza nele. Ele não se arrependeu de nada. Acabou com a vida da minha filha”, disse Maria Regina Buriola.

A mãe ainda lamenta que a filha não tenha deixado o agressor em oportunidades anteriores, nas quais havia sido agredida. “Eles estavam juntos a mais ou menos um ano e seis meses, mas ele já havia sido violento várias vezes”.

A reportagem não conseguiu localizar a defesa de Jair da Costa.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Comissão da Câmara aprova projeto que autoriza publicidade de arma de fogo

Projeto de Hélio Brasileiro proíbe inauguração de obras públicas inacabadas

Jovem liga para Polícia Militar, confessa que é traficante e pede para ser preso

Situação na Amazônia não está fora de controle, diz ministro da Defesa

Sorocaba realiza repescagem de vacinação contra a Covid-19 neste fim de semana; confira horários

Estudantes da nona série investem amor na Páscoa