Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Em meio a fritura, Ministério da Economia nega saída de Guedes

Arquivo
Postado em: 26/08/2020

Compartilhe esta notícia:

Bernardo Caram, da Folhapress

Diante de especulações sobre a permanência de Paulo Guedes (Economia) no cargo após crítica do presidente Jair Bolsonaro, a equipe de comunicação do Ministério da Economia precisou desmentir um boato de que o ministro teria pedido demissão.

Nesta quarta-feira (26), Bolsonaro disse que suspendeu a apresentação do novo programa social do governo e fez críticas que foram interpretadas como direcionadas a Guedes.

"A proposta como a equipe econômica apareceu para mim não será enviada ao Parlamento, não posso tirar de pobres para dar para paupérrimos", afirmou em discurso, durante cerimônia em Ipatinga (MG).

Após a afirmação, circulou no mercado financeiro um boato de que Guedes teria pedido demissão após a crítica do presidente.

No meio da tarde, a assessoria de imprensa do Ministério da Economia divulgou comunicado no qual afirma que o ministro segue trabalhando normalmente.

"Não procede marcação de coletiva para pedido de demissão. Ministro continua despachando normalmente. Estava em reunião com secretários de Fazenda, conforme agenda", informou a pasta.

A crítica de Bolsonaro é referente à tentativa de incluir o abono salarial entre os programas que seriam extintos para criar o Renda Brasil.

O custo anual do programa, que paga uma espécie de 14º salário a trabalhadores que recebem até dois salários mínimos, é de R$ 18 bilhões.

Para a reformulação do Bolsa Família, que passará a se chamar Renda Brasil, Guedes apresentou propostas de parcelas entre R$ 240 e R$ 270, a depender do desenho da assistência e da extinção de outros programas. Bolsonaro pressiona para que o valor chegue a pelo menos R$ 300.

Membros do governo afirmam que a insistência de Bolsonaro em estabelecer uma agenda social mais robusta é uma tentativa de segurar sua popularidade em alta e construir um caminho para a reeleição.

Pesquisa Datafolha mostrou que a aprovação do presidente registrou alta após a liberação do auxílio emergencial, especialmente no Nordeste.

Segundo relatos feitos à reportagem, o desenho elaborado pelos ministérios da Economia e da Cidadania prevê reformulação ou extinção de até 27 programas e benefícios da área social para criar o Renda Brasil.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Tráfico em família: pai e filho são presos juntos ao serem flagrados com drogas

Doria diz que investigações contra tucanos são técnicas e que PSDB não irá condená-las

Votorantim inicia cadastro para motoristas e cobradores de ônibus receberem vacina contra Covid-19

Cuidados com os animais durante o inverno

Casos do novo Coronavírus sobem para oito; SP tem primeiros registros de transmissão local

A Rosa do Osni Sampaio Leite​ - veja a coluna semanal de Vanderlei Testa