Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Contra evasão escolar, governo de SP lança campanha com influenciadores

Arquivo
Postado em: 02/12/2020

Compartilhe esta notícia:

Isabela Palhares, da Folhapress

Após seis meses com todas as escolas da rede estadual fechadas, o governo de São Paulo lançou nesta quarta (2) uma campanha com influenciadores para incentivar os alunos a assistirem as aulas remotas ou voltarem às unidades que reabriram.

No próximo ano, o governo também quer dar uma bolsa de estudos para alunos de baixa renda. Uma das avaliações é de que parte dos estudantes pode não regressar às escolas por terem começado a trabalhar durante a pandemia para ajudar em casa. Por isso, o incentivo financeiro seria importante.

O aumento do abandono escolar é um dos efeitos mais temidos da pandemia por gestores educacionais e especialistas da área.

Até o início de novembro, 500 mil alunos da rede estadual não entregaram nenhuma atividade letiva neste ano –cerca de 15% dos 3,5 milhões de matriculados. Segundo Rossieli Soares, secretário de Educação, as ações são para engajar esses estudantes a voltarem aos estudos.

Nesta quarta, a secretaria anunciou uma parceria com o produtor musical Kondzilla, dono de um dos maiores canais no Youtube e responsável pelos videoclipes de maior sucesso do funk. Ele e outros influenciadores vão divulgar as atividades letivas em vídeos curtos no TikTok, rede social com muitos usuários jovens.

"Precisamos falar com os jovens, mostrar para eles a importância de continuar estudando. Uma coisa sou eu, Rossieli, dizendo que o estudo é importante. Outra é o jovem ouvir isso do Esdras [influenciador com mais de 400 mil seguidores no Instagram]", disse Soares.

Para o próximo ano, o governo de São Paulo tenta ainda recursos com o Banco Mundial para criar um programa que irá conceder bolsas mensais para 700 mil alunos de ensino fundamental e médio. O auxílio estudado é de R$ 80.

O projeto foi enviado à Comissão de Financiamentos Externos (Cofiex) do Ministério da Economia, que faz a análise inicial dos projetos que concorrem a recursos de organismos internacionais.

"Temos uma preocupação muito grande com o jovem que será forçado a escolher entre ir para a escola ou ajudar a botar comida na mesa de sua família. Isso nos assombra, nenhum jovem deveria ter essa escolha imposta. Cabe a nós sociedade não admitir isso."

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

PM é recebida ‘a pedradas’ durante atendimento de ocorrência no Jardim dos Estados

Helder Barbalho, governador do Pará, é alvo da PF em operação sobre compra de respiradores

TikToker de 19 anos assume namoro com criança de 12 e causa revolta na internet

Governo recua de nova CPMF e reforma tributária deve ser apresentada apenas em 2021

Parque Tecnológico realiza lançamento de Espaço Maker neste sábado

Procon faz operação para verificar possíveis abusos no preço de testes de Covid em Sorocaba