Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Comerciante é morta a facadas dentro de casa na zona oeste de SP e polícia investiga feminicídio

Foto: Divulgação/PM
Postado em: 20/02/2020

Compartilhe esta notícia:

Alfredo Henrique, Folhapress

 

A comerciante Beatriz de Espíndola Fermino Calado, 32 anos, foi encontrada morta a facadas sobre a sua cama, por volta das 10h30 de quarta-feira (19), no bairro Raposo Tavares (zona oeste da capital paulista). O companheiro dela, um comerciante de 39 anos, é o principal suspeito pelo crime, segundo a polícia. Ele não havia sido localizado até a publicação desta reportagem. 

 

Segundo o DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa), o suspeito teria esfaqueado Beatriz na sala, de onde arrastou o corpo dela até o quarto e colocou sobre a cama. Ela foi esfaqueada no rosto e também nas costas. Ainda de acordo com a polícia, o suspeito teria retirado a bermuda que usou no crime, encontrada manchada de sangue na casa, e também deixado a faca supostamente usada no crime na residência. 

 

Os pais de Beatriz afirmaram em depoimento que o genro os procurou por volta das 7h de quarta, afirmando que havia brigado com a mulher e que precisava pegar algumas roupas na casa dos sogros para viajar. Após o suspeito se retirar, eles ficaram desconfiados e tentaram ligar para Beatriz, que não atendeu o telefone. Por conta disso, eles ligaram para a Polícia Militar, que foi até a casa da vítima, onde foi encontrada morta. 

 

Segundo vizinhos e familiares, o casal estava junto há cerca de um ano e meio. Ambos costumavam beber com frequência e brigar, por conta de ciúmes. Eles também eram sócios em um bar na região do Butantã, também na zona oeste. 

 

A polícia investiga o que teria motivado o crime, que foi registrado como feminicídio (quando a vítima é morta por ser mulher). 

 

Feminicídios crescem na capital e no estado de SP

 

Os feminicídios aumentaram na capital paulista e no estado de São Paulo, respectivamente, 51,7% e 33,8%. Os dados são da SSP (Secretaria da Segurança Pública), gestão João Doria (PSDB). 

 

Foram 29 casos na capital em 2018 e 44 no ano passado. Já no estado foram registradas 136 ocorrência em 2018 e 182 em 2019.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Ministério da Saúde diz que foi alvo de tentativa de ataque cibernético

Crespo envia à Câmara PL para criar mais 20 cargos com custo anual de R$ 722 mil

‘Nem a pau, Juvenal’, diz Ciro sobre apoio a Haddad em eventual 2º turno

Superior Tribunal de Justiça julga em 2020 mensalidades por faixa etária de planos de saúde

Ônibus circulam com 40% da frota nesta quarta-feira, informa sindicato

BOA NOTÍCIA - Santa Casa de Sorocaba vai fazer parte de estudo de remédio contra a Covid-19