Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Com aglomerações, estabelecimentos são autuados em SP na primeira noite da fase vermelha

Foto: Folhapress/Folhapress
Postado em: 06/03/2021

Compartilhe esta notícia:

Ana Bottallo, Folhapress

 

Na primeira noite após a reclassificação do estado de São Paulo para a fase vermelha, diversos estabelecimentos na capital foram autuados e fechados por formarem aglomerações ou funcionarem após o horário permitido.

 

Na zona leste da capital, a polícia prendeu cerca de 200 pessoas e apreendeu drogas após uma denúncia. A ocorrência aconteceu na avenida Amador Bueno da Veiga, na Penha.

 

Segundo a Vigilância Sanitária Estadual, além da festa clandestina na zona leste, ao menos 43 estabelecimentos foram autuados por descumprimento das normas da fase vermelha. De acordo com o plano, restaurantes só podem funcionar com venda por delivery, sem consumo no local.

 

Até a sexta-feira (5), quando ainda não estava em vigor a fase vermelha, bares e restaurantes só podiam permanecer abertos e com venda de bebidas alcoólicas até as 20h; após esse horário, os restaurantes podiam permanecer abertos, mas sem consumo de bebidas alcóolicas.

 

Dentre as autuações realizadas pelo governo, algumas se referiram ao funcionamento de bares após o horário permitido. Foram inspecionados os bairros Itaim Bibi, Pinheiros, Vila Mariana, Paraíso, Moema, Penha e Jabaquara.

 

Ainda de acordo com o governo estadual, as fiscalizações foram reforçadas desde a última sexta-feira (26), quando foi implementado o chamado toque de restrição em todo o estado, antes válido das 22h às 5h e agora, nesta nova fase, ampliado para as 20h.

 

Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde afirmou neste sábado (6) que "as ações visam sobretudo à mudança de comportamento e o respeito às normas sanitárias para proteção coletiva, e não miram a punição, embora isto possa ser realizado se a lei for descumprida" e que a fiscalização "encontro aglomerações e dezenas de pessoas se máscaras".

 

"A restrição de circulação se aplica a qualquer atividade não essencial e qualquer aglomeração em espaços coletivos, como estabelecimentos comerciais, bares, baladas, restaurantes, dentro dos critérios já estabelecidos pelo Plano São Paulo. Estes espaços privados estão sujeitos às fiscalizações, orientações e autuações pela Vigilância Sanitária. Além disso, os policiais farão bloqueios orientativos aos cidadãos em diferentes regiões do Estado," completa a nota.

 

Procurada, a secretaria não explicou o que seriam os "bloqueios orientativos" dos policiais militares.

 

A autuação dos estabelecimentos prevê multas de até R$ 290 mil pelo descumprimento de regras. Ainda, a falta do uso de máscara dos clientes prevê multa de R$ 5.278 ao estabelecimento, por cada infrator. Já pessoas circulando sem máscara em espaços coletivos podem receber multa de até R$ 551.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Doria diz que Bolsonaro deve sair da "bolha de ódio" e acordar para a realidade

Campanha das eleições 2020 começa; candidatos já podem pedir votos nas ruas e internet

Prefeitura de Sorocaba deve mais de R$ 8 milhões para a Santa Casa; não há previsão de pagamento

Pergunta ao autor, só passei, diz Bolsonaro após endossar texto sobre país ingovernável

Jaqueline decreta obrigatoriedade do uso de máscaras em Sorocaba

Garupeiro morre após motocicleta bater em caminhão na Zona Leste