Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Celso de Mello diz que "bolsonaristas fascistoides" ameaçam juízes

Agência Brasil
Postado em: 21/05/2020

Compartilhe esta notícia:

Mônica Bergamo, da Folhapress

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Celso de Mello afirmou que pessoas que têm abarrotado as caixas de mensagens de juízes de tribunais de Brasília com mensagens anônimas e ameaças de morte são "bolsonaristas fascistoides, além de covardes e ignorantes".

O magistrado não recebeu textos ameaçadores. Mas, questionado sobre o teor das mensagens enviadas a outros juízes, afirmou também que seus autores "revelam, com tais ameaças, a sua face criminosa, própria de quem abomina a liberdade e ultraja os signos da democracia".

As mensagens enviadas a juízes, reveladas pelo jornal Correio Braziliense, falam em "matar em legítima defesa", pois será "decretado" um estado de sítio no Brasil sob o "comando do general Braga Netto", ministro da Casa Civil do presidente Jair Bolsonaro. Braga Netto pediu investigação sobre os textos enviados aos magistrados."

O ministro Celso de Mello é o relator do inquérito que investiga as declarações do ex-ministro da Justiça Sergio Moro sobre suposta tentativa de Jair Bolsonaro de interferir na Polícia Federal.

Nesta sexta-feira (22), ele deve anunciar se levanta ou não o sigilo do vídeo com a gravação da reunião ministerial em que Jair Bolsonaro teria ameaçado demitir Moro.

O vídeo da reunião, ocorrida no dia 22 de abril, no Palácio do Planalto, é considerado um elemento fundamental para a investigação.

A defesa de Moro pede que a íntegra do vídeo seja divulgada e componha o inquérito.

Já a AGU (Advocacia-Geral da União) e a PGR (Procuradoria-Geral da República) defendem apenas a liberação de alguns trechos da gravação.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

No Senado, Moro fala em sensacionalismo e que não tem o que esconder

Coreia do Norte efetua disparos em direção à fronteira e Coreia do Sul responde

Maia defende retomada das agendas de reforma no Congresso

Prefeitura é alvo de operação da Polícia Civil e Gaeco por suspeita de irregularidades

Bolsonaro ficará internado para tratamento clínico, informa hospital, sem confirmar previsão de cirurgia

Zoonoses removeu mais de 120 toneladas de criadouros neste ano