Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Caiado diz que ‘nenhum estado vai fazer politicagem e escolher quem vai viver ou morrer’

Jovem Pan News
Postado em: 11/12/2020

Compartilhe esta notícia:

Jovem Pan News

O governador do Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), afirmou nesta sexta-feira, 11, que “nenhum estado vai fazer politicagem e escolher quem vai viver ou morrer de Covid-19“. Apesar de não citar nomes, a fala é uma indireta ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que anunciou na última semana que o estado todo será vacinado com a CoronaVac a partir de 25 de janeiro de 2021. O anúncio do governo paulista iniciou uma corrida pela vacina entre os governadores e aumentou a pressão para que o Ministério da Saúde divulgue o Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19 e centralize a vacinação. O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, esteve presente em Goiânia nesta sexta, e na visita, segundo Caiado, afirmou que uma medida provisória será editada para que a distribuição igualitária das vacinas seja centralizada pela pasta.

“O ministro Pazuello me informou que será editada uma Medida Provisória que vai tratar dessa centralização e distribuição igualitária das vacinas. Toda e qualquer vacina certificada que for produzida ou importada será requisitada pelo Ministério da Saúde”, garantiu o governador do Goiás. Doria utilizou suas redes sociais para rebater e informar que o “Goiás é um dos 12 estados brasileiros que já manifestaram interesse na CoronaVac”. Em seguida, o governador adicionou link de uma matéria do portal R7 sobre o encontro entre Doria e a Associação de Municípios de Goiás para negociar a compra da vacina produzida pelo Instituto Butantan. Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, na quarta-feira, 9, Caiado já havia criticado o anúncio do PSDBista. “Essa notícia de querer definir plano de vacinação em 25 de janeiro. Isso é irresponsabilidade e descortesia com os depois governadores. Como se apenas o governador de São Paulo fosse competente e preocupado com a vida das pessoas”, disse. Pazuello, durante a inauguração do hospital maternidade Célia Câmara, em Goiânia, fez uma fala no mesmo sentido. “Nenhum estado da federação será tratado de forma diferente, nenhum brasileiro terá vantagem sobre outros brasileiros”, afirmou.

 

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Casos de morte por dengue aumentam cinco vezes em relação ao ano passado em todo o país

Eduardo Bolsonaro: ‘será necessário uso da força na Venezuela; Maduro é criminoso’

Bolsonaro diz que deve buscar no Congresso "sistema eleitoral confiável" para 2022

Em um ano, incidência da dengue no país aumenta 600%

União Europeia defende mais restrições para combater o coronavírus

Para especialistas, pode ser cedo demais para se afrouxar a quarentena