Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Bolsonaro prometeu em 2018 que não daria indulto como presidente

Foto: reprodução
Postado em: 22/04/2022

Compartilhe esta notícia:

FOLHAPRESS

O presidente Jair Bolsonaro (PL), que nesta quinta (21) concedeu perdão da pena ao deputado Daniel Silveira, disse em 2018 que não daria nenhum indulto durante o seu mandato.


"Já que indulto é um decreto presidencial, a minha caneta continuará com a mesma quantidade de tinta até o final do mandato", afirmou ele em uma formatura de oficiais da Aeronáutica naquele ano.


Na mesma ocasião, o chefe do Executivo então recém-eleito defendeu que "não é apenas a questão de corrupção, qualquer criminoso tem que cumprir sua pena de maneira integral".


"Se não houver punição ou se a punição for extremamente branda, é um convite à criminalidade", seguiu Bolsonaro.


Dias antes, em novembro de 2018, ele já tinha se manifestado em uma rede social sobre o assunto. "Garanto a vocês, se houver indulto para criminosos neste ano, será o último", escreveu Bolsonaro.


Silveira foi condenado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) a 8 anos e 9 meses de prisão, em regime inicial fechado, por ataques aos ministros da corte.


Em declaração transmitida nas redes sociais nesta quinta (21), Bolsonaro argumentou que a liberdade de expressão é "pilar essencial da sociedade" e que a sociedade encontra-se em "legítima comoção" por causa da condenação.


"A graça de que trata esse decreto é incondicionada e será concedida independente do trânsito em julgado [da ação]", disse Bolsonaro.


O indulto presidencial perdoa a punição de certos crimes.


Em 2017, o então presidente Michel Temer (MDB) publicou decreto concedendo indulto natalino inclusive para condenados por corrupção que tivessem cumprido um quinto (o equivalente a 20%) da pena até 25 de dezembro de 2017.


A medida foi levada ao Supremo Tribunal Federal, que julgou o decreto constitucional.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Câmara de Sorocaba retoma sessões presenciais nesta quarta-feira

“Prevaricação se aplica a servidor público, não a mim”, diz Bolsonaro sobre caso Covaxin

STF decide que voto impresso é ‘inconstitucional, viola o sigilo e a liberdade’

Crespo decreta tombamento do Palácio dos Tropeiros e do teatro municipal

Anvisa recebe pedido de uso emergencial de vacina de mais um laboratório da China

CNI: 90% não fazem questão de escolher marca de vacina