23 de Junho de 2024
Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Bolsonaro ordena que PL retire ação contra Lollapalooza e estaria furioso com o partido

Foto: Pedro Ladeira/Folhapress
Postado em: 28/03/2022

Compartilhe esta notícia:

Mônica Bergamo, Folhapress

 

O presidente Jair Bolsonaro pediu ao presidente do PL, Valdemar Costa Neto, que o partido retire a ação contra o festival Lollapalooza que determinava multa caso artistas repetissem críticas a ele e elogios a Lula durante seus shows no evento.

 

De acordo com um dos integrantes da equipe do presidente, ele estaria furioso e sequer teria sido consultado sobre a iniciativa.

 

Por isso, telefonou nesta segunda (28) ao presidente da legenda pedindo, irritado, que o pedido de censura feito ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) seja retirado. Ele já tinha sido acatado por um dos magistrados.

 

Valdemar afirmou que a ideia de pedir multa contra o Lollapalooza foi do setor jurídico da agremiação. E afirmou que encaminhará o pedido do presidente.

 

O pedido do PL ao TSE foi feito depois que a cantora Pablo Vittar ergueu uma bandeira com a imagem de Lula quando passava no meio do público. Outra artista, Marina -antes à frente da banda Marina and The Diamonds- xingou Bolsonaro e o mandatário russo Vladimir Putin.

 

A censura determinada pelo TSE foi a pior possível, e incendiou outros artistas como Emidica e Marcelo D2, que se apresentaram depois e fizeram questão de xingar o presidente.

 

De acordo com um ministro próximo de Bolsonaro, a ação do PL foi considerada um desastre, já que o presidente não poderia mais sustentar o discurso que faz de liberdade total de expressão caso apoiasse a proibição de críticas de artistas ao governo.

 

O mesmo ministro diz ter ouvido do presidente que é preciso deixar quem quiser xingá-lo, assim como pessoas que não votam em Lula também xingam o petista.

 

O ministro Raul Araújo, do TSE, atendeu ao pedido do PL no fim de semana e classificou como propaganda eleitoral as manifestações políticas das cantoras Pabllo Vittar e Marina no Lollapalooza e determinou multa de R$ 50 mil para a organização do festival se houvesse outras.

 

A decisão liminar proibia manifestações a favor ou contra qualquer candidato ou partido político, e foi tomada no sábado. Ela acatava parcialmente um pedido do PL realizado na manhã daquele mesmo dia.

 

Os advogados do PL também tinham solicitado condenação do Lollapalooza por propaganda eleitoral antecipada, o que não ocorreu.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Defesa Civil interdita duas residências após deslocamento de terra em área verde

Sistema de bilhetes falha e causa atrasos e filas nos terminais de Sorocaba

Van capota e deixa pessoas feridas na rodovia Castello Branco

Mulher é agredida e vítima de estupro coletivo em área rural de Itu; três foram presos

Crespo recorre ao STF para tentar anular cassação de mandato; Gilmar Mendes será o relator

Carlos Bolsonaro insinua que Mourão conspira para derrubar o pai