23 de Junho de 2024
Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Bolsonaro e Mourão se irritam com Witzel após governador gravar e divulgar conversa com vice

Foto: Folhapress
Postado em: 27/01/2020

Compartilhe esta notícia:

Patrícia Campos Mello e Gustavo Uribe, Folhapress

 

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) demonstrou irritação com o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), após a divulgação de um telefonema de Witzel com o vice-presidente Hamilton Mourão. A conversa foi gravada em vídeo e divulgada em seguida nas redes sociais do governador.

 

Na Índia, onde está em seu último dia de visita oficial, Bolsonaro afirmou: "Pelas imagens, ele [Witzel] tá no seu carro e um assessor filma; aí ele liga para o presidente em exercício. Eu acho que não é usual alguém fazer isso; eu não gostaria que fizessem isso comigo, o que se trata por telefone, tem que ser reservado."

 

Enquanto Bolsonaro está fora do país, Mourão é o presidente interino. No vídeo compartilhado por Witzel em sua conta no Twitter, ele é filmado por um assessor enquanto liga para Mourão e diz: "Senhor presidente, boa tarde" e fala sobre os problemas causados pelas chuvas em municípios do Rio e a necessidade de levar água para os locais afetados.

 

Mourão afirma estar ciente. "Vou pedir para o ministro Fernando [Fernando Azevedo, ministro da Defesa] intensificar isso aí", diz. "Qualquer coisa a gente apoia mais alguma coisa aí no RJ, governador. Fica tranquilo."

 

Nesta segunda-feira, em Brasília, o presidente interino também criticou o governador fluminense. Segundo Mourão, Witzel esqueceu a ética e a moral ao ter gravado a conversa sem autorização. "Em relação ao governador Wilson Witzel, ele diz que foi fuzileiro naval. Eu acredito que ele esqueceu a ética e a moral, que caracterizam as Forças Armadas, quando saiu do Corpo de Fuzileiros Navais. Nada mais eu tenho a dizer a respeito", afirmou Mourão.

 

Mourão acrescentou que falou pelo telefone com Bolsonaro sobre o episódio após a divulgação do vídeo e que o presidente comentou que o governador não foi ético. "O presidente só disse que é uma coisa que não é ética, né. É óbvio. Se você vai gravar alguém, você diz: Olha, vou gravar aqui, porque vou botar para o povo do Rio de Janeiro, para saber que estou atuando", disse.

 

Em seu Twitter, ao compartilhar o vídeo, Witzel afirmou: "Solicitei ao presidente da República em exercício, Hamilton Mourão, e ao Ministério da Defesa apoio para o envio de água potável às pessoas atingidas pelas chuvas no Norte/Noroeste do RJ. A ajuda do Governo Federal será fundamental para socorrer a população dessa região."​

 

Em nota, o governador do Rio disse que o vídeo divulgado "tem somente a intenção de tranquilizar os moradores de cidades do noroeste do estado, fortemente atingidas pelas chuvas". "A informação de que os governos estadual e federal estarão juntos para atender demandas básicas da população da região não tem qualquer outra conotação que não demonstrar união num momento de necessidade do povo. Por isso é importante e de interesse público."

 

Bolsonaro e Witzel, que é pré-candidato à Presidência, têm entrado em atrito nos últimos meses. No fim de novembro, Bolsonaro acusou Witzel de manipular as investigações do caso Marielle Franco e disse que a sua vida "virou um inferno" desde a eleição do seu ex-aliado. Ele afirmou ainda que o governador do Rio tem usado a Polícia Civil do estado para atingi-lo.

 

Ambos têm trocado ataques desde que o ex-juiz anunciou sua intenção de se candidatar à Presidência em 2022. O governador disse que irá processá-lo pelas acusações de manipular o caso Marielle.

 

Segundo reportagem publicada pelo jornal Folha de S.Paulo em janeiro, entrar em choque com o presidente Jair Bolsonaro parece ser fatal, ao menos nas redes sociais. A deputada Joice Hasselmann (PSL) e os governadores João Doria (PSDB-SP) e Witzel são grandes exemplos disso, aponta índice de popularidade digital, feito pela consultoria Quaest. A empresa analisa o desempenho digital de figuras públicas no Facebook, Instagram e Twitter.

 

Enquanto eram aliados a Bolsonaro, Joice, Doria e Witzel chegaram a ser líderes no índice em seus grupos (deputados federais e governadores, respectivamente). Após o rompimento, ambos desabaram no levantamento. Além disso, Joice, Doria e Witzel passaram a ser criticados abertamente na rede por pessoas próximas ao presidente, como seu filho Eduardo.

 

Em agosto e setembro, Wizel foi o gestor estadual com melhor popularidade nas redes sociais, segundo o índice. Ele se elegeu apoiando o então candidato Bolsonaro e manteve alinhamento até meados deste ano. Em setembro, porém, passou a se colocar enfaticamente como possível candidato a presidente.

 

Após esse movimento, Witzel passou também a ser criticado por Bolsonaro e seu entorno. O presidente tem dito que a polícia do Rio, sob comando de Witzel, tem perseguido o senador Flávio Bolsonaro na investigação sobre "rachadinha" na Assembleia Legislativa do Rio quando era deputado estadual.

 

Witzel, então, desabou no índice de popularidade digital, ficando em novembro apenas como o 9º governador com maior popularidade.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Profissionais de educação de 47 anos ou mais recebem 2ª dose da vacina contra covid nesta 6ª

Bolsonaro se referiu ao setor público e não temos divergências, diz Guedes sobre "Brasil quebrado"

TSE adia as eleições em Macapá (AP), cidade que vive apagão há nove dias

Zoonoses já removeu mais 220 toneladas de criadouros do Aedes aegypti

Com acordo para fornecimento de álcool em gel, transporte público deve circular nesta 4ª

Homem com esquizofrenia morre após ser incentivado a beber pinga em Cuiabá