Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Bolsonaro afirma que é possível dar uma "mexidinha" na tabela do Imposto de Renda

Foto: PR
Postado em: 04/02/2021

Compartilhe esta notícia:

Ricardo Della Coletta, FOLHAPRESS


O presidente Jair Bolsonaro voltou a prometer, nesta quarta-feira (3), mudanças na tabela do Imposto de Renda.


Ao conversar com apoiadores na chegada do Palácio da Alvorada, o presidente foi questionado por uma simpatizante sobre o tema.


Primeiro, ele disse que não conseguiu fazer a atualização no ano passado por conta dos gastos emergenciais do governo com a crise da Covid-19.


Diante de nova pergunta da apoiadora sobre 2021, Bolsonaro respondeu: "A economia parece que está voltando. Dá para dar uma mexidinha nela sim. Não dá para onde eu queria que [ela] chegasse. Ano passado foi um baque muito grande, foram R$ 700 bilhões de endividamento", disse.


As declarações do mandatário foram transmitidas por um site bolsonarista.


Hoje, o limite de isenção do imposto de renda é de R$ 1.903,98. Durante a campanha que o levou à Presidência da República, Bolsonaro havia prometido elevar o valor para R$ 5 mil. Mas tem dito em declarações recentes que não conseguirá cumprir a promessa porque "o Brasil está quebrado".


Em 14 de janeiro, durante sua live semanal, Bolsonaro afirmou que queria aumentar para R$ 3 mil a faixa de isenção do Imposto de Renda em 2022.


"Gostaríamos de passar pra R$ 5 mil. Não seria de uma vez, mas daria para até o final do mandato fazer isso. Não conseguimos por causa da pandemia. Nós nos endividamos em mais R$ 700 bi, não deu pra atender. Vamos ver se para o ano que vem pelo menos passe de R$ 2 mil para R$ 3 mil", afirmou Bolsonaro na ocasião.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Governo investe R$ 10 mi no combate à violência sexual infantil online

Romu detém traficante de 18 anos no Jardim Itapemirim

Polícia identifica oito dos 10 mortos na tragédia em Capitólio (MG)

Prefeito oferece quarta área para Estado construir novas moradias

Auxílio emergencial 2021: saiba o que fazer se teve benefício negado

Celso de Mello vota a favor de depoimento presencial de Bolsonaro à PF