20 de Julho de 2024
Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Anvisa dá aval à fábrica de insumos da vacina da Oxford

Foto: Reuters/Dado Ruvic/direitos reservados
Postado em: 24/12/2020

Compartilhe esta notícia:

Paulo Saldaña, FOLHAPRESS

 

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) concedeu a certificação de boas práticas de fabricação à WuXi Biologics, responsável pela fabricação do Insumo farmacêutico ativo biológico da vacina desenvolvida pela AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford e a Fundação Oswaldo Cruz.


O Ministério da Saúde tem parceria com a empresa para produção do imunizante.


A etapa finalizada é um dos pré-requisitos para a continuidade do processo de registro vacina. A informação foi divulgada na noite desta quarta-feira (23) pelo governo federal.


Segundo o governo, após inspeção realizada de 7 a 11 de dezembro, a equipe técnica da Anvisa concluiu nesta quarta a avaliação técnica das informações complementares enviadas pela empresa.


A Anvisa já havia concedido, nesta semana, o certificado de boas práticas à Sinovac, empresa chinesa responsável pela Coronavac e parceira do Instituto Butantan, de São Paulo.


A Coronavac é a aposta do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para fornecer a vacina da Covid-19 à população paulista e tem estado no centro de uma disputa com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).
Bolsonaro trabalha abertamente contra campanha de imunização e já disse que o governo federal não iria adquirir vacina da China porque ela não traria segurança.


No entanto, a fabricante WuXi Biologics, que acaba de receber a certificação do governo Bolsonaro, também fica na China.


Uma resolução com a certificação foi publicada no Diário Oficial da União em edição extra nesta quarta. O ato pode antecipar, segundo o governo, em cerca de 10 dias a previsão inicial de publicação da decisão sobre a certificação.


Além de ser um dos pré-requisitos para a continuidade do registro da vacina, também é necessário para um eventual pedido de autorização de uso emergencial que venha a ser apresentado à agência reguladora. A certificação é válida por dois anos.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Anvisa proíbe venda e uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde em geral ou estéticos

Votorantim investiga primeira morte suspeita pelo novo coronavírus

Responsabilização de Bolsonaro está mais próxima, avalia CPI

Gestão compartilhada deve reduzir mais de 50% do deficit de vaga em creche

Wilson Negrão assume Seccional de Sorocaba e propõe humanização entre polícia e sociedade

Perto da Presidência da Câmara, Cláudio do Sorocaba 1 diz que "prefeito não torce pra jacaré"