Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Anvisa aprova remédio de artrite e dermatite para tratamento de Covid

Foto: Divulgação
Postado em: 18/09/2021

Compartilhe esta notícia:

Raquel Lopes, Folhapress

 

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou na sexta-feira (17) a indicação do medicamento baricitinibe para o tratamento de pacientes internados com Covid-19.

 

O medicamento já possuía registro no Brasil para o tratamento de artrite reumatoide e dermatite atópica moderada a grave. Agora o seu uso vai constar em bula também para o tratamento da doença causada pelo coronavírus.

 

A nova indicação vale para pacientes adultos hospitalizados com quadro grave de Covid, que necessitam de suporte de oxigênio por máscara, cateter nasal ou ventilação mecânica.

 

Para a inclusão dessa nova indicação, a empresa farmacêutica Eli Lilly do Brasil apresentou dados que sustentam a eficácia e a segurança do medicamento para esse outro uso.

 

Gustavo Mendes, gerente-geral de medicamentos da Anvisa, disse que a droga demonstrou 38% de eficácia na redução da mortalidade de pessoas hospitalizadas por causa da Covid-19. O baricitinibe age impedindo que o vírus se replique e se propague na célula.

 

De todos aprovados até o momento pela Anvisa para a Covid, esse é o primeiro medicamento que pode ser comercializado em farmácia. "Nessa indicação é esperado que se use em ambiente hospitalar, mas não vai ficar restrito porque já é comercializado", explicou Mendes.

 

Esse é o sexto tratamento contra a Covid aprovado pela agência reguladora do Brasil. O primeiro foi o Remdesivir, que obteve registro em março. O remédio é indicado para pessoas hospitalizadas com quadro de pneumonia e que precisam de suporte de oxigênio, desde que não estejam em ventilação mecânica.

 

O outro é o Regen-cov, o qual consiste em uma associação de anticorpos monoclonais, aprovado para uso emergencial. "O combo de medicamentos reduziu significativamente em 70,4% o número de hospitalização e morte em paciente laboratorial sintomático com um ou mais fator de risco para doença grave", disse Mendes, na ocasião.

 

Em maio deste ano, a agência aprovou o uso emergencial de um coquetel desenvolvido pela empresa Eli Lilly. O tratamento é uma combinação dos medicamentos biológicos banlanivimabe e etesevimabe. Por precisar de acompanhamento na aplicação, não há possibilidade de venda em farmácias para uso em casa.

 

Já em agosto deste ano, foi a vez do medicamento regdanvimabe, da empresa Celltrion Healthcare. Ele é indicado para tratamento leve e moderado em adultos que não necessitam de suplementação do oxigênio, mas apresentam alto risco de progressão da Covid.

 

O quinto aprovado é o sotrovimabe. O medicamento é recomendado para pacientes com casos leves e moderados da doença, mas que apresentem risco de uma evolução ruim da doença.

 

A Anvisa também informou na sexta-feira (17) que solicitou a alteração da bula da vacina da Janssen, imunizante de dose única contra a Covid-19.

 

A mudança, que precisa ser feita em até 30 dias, visa incluir eventos adversos que foram identificados durante o monitoramento de farmacovigilância do uso da vacina.

 

O pedido inclui os seguintes eventos adversos: linfadenopatia, que significa o aumento do tamanho de linfonodos, como o aparecimento de caroços no pescoço; parestesia, sensação de dormência em alguma parte do corpo; hipoestesia, diminuição da sensibilidade da pele; tinido e zumbido no ouvido; diarreia e vômitos.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

VÍDEO - Presidente da RMS comenta encontro com ex-presidente Michel Temer

Doria pedirá R$ 350 milhões a Bolsonaro para obras contra enchentes em SP

Em quatro dias, quatro mulheres são mortas por conhecidos em SP

Sobrevivente da tragédia aérea da Chape, Rafael Henzel morre após infarto

Eduardo Bolsonaro: ‘será necessário uso da força na Venezuela; Maduro é criminoso’

Hospital é condenado por por estupro de menina com paralisia cerebral