Informação e Credibilidade para Sorocaba e Região.

Alunos da Medicina e Enfermagem dizem "sim" ao chamamento público

Foto: divulgação
Postado em: 24/04/2020

Compartilhe esta notícia:

 

 

No dia 23 de março, quando o sinal vermelho sobre a pandemia da Covid-19 já estava aceso no Brasil, o Ministério da Saúde, em parceria com o Ministério da Educação, instituiu o programa "O Brasil conta comigo". O objetivo é integrar estudantes de graduação em Medicina, Enfermagem, Fisioterapia e Farmácia para auxiliar no enfrentamento desse problema nos serviços públicos de saúde (SUS). Diversos alunos dos cursos de Medicina e Enfermagem da PUC-SP aderiram à proposta, como as três personagens do texto abaixo.

 

Larissa, segundanista da Enfermagem

 

Aluna do segundo ano do curso de Enfermagem, Larissa Fernanda Mendes inscreveu-se no programa “O Brasil conta comigo” por entender que o cenário é singular e exige solidariedade. “Mesmo sendo uma ajuda pequena, estarei ajudando. Acredito que toda contribuição neste momento caótico é válida. A experiência de poder estar em contato com os pacientes [infectados pela Covid-19], ajudando-os durante a pandemia, é única”, diz. “Não quero ficar de braços cruzados em casa”, completa. 

 

Larissa conta que não se inscreveu pensando em algum tipo de contrapartida, como a transformação das horas de atuação no SUS em horas-aula ou nas que contam para o estágio obrigatório. “Fiz isso para livrar profissionais mais experientes e que podem ter melhor serventia em lugares mais caóticos”, explica.

 

A estudante de enfermagem imagina que, após a pandemia ser superada, grande parte da população mundial ficará um pouco em choque e passará a redobrar os cuidados com a higiene, como lavar as mãos com frequência, por exemplo. “Muitos acham que é bobagem o que estamos passando e tocam a vida como se nada estivesse acontecendo, ou como se fosse somente uma gripezinha”, lamenta. 

 

Bárbara, sextanista da Medicina

 

Bárbara Christie Leme Silva cursa o sexto (e último) ano do curso de Medicina da PUC-SP. “Eu me inscrevi no programa ‘O Brasil conta comigo’ logo no dia em que foi aberto o site para o cadastramento”, revela.  

 

Ela explica que o programa do governo federal propõe que, na necessidade de mais profissionais da saúde, os alunos atendam casos leves na atenção primária à saúde – ou seja, nas Unidades Básicas de Saúde –, desde que supervisionados por profissionais qualificados. Com isso, aumentaria a quantidade de mão de obra especializada na área assistencial (médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, entre outros) para o atendimento dos casos graves. 

 

Bárbara também destaca que sua decisão de participar ocorreu naturalmente. “Estar na reta final da formação e não participar e ajudar a população chegaria a ser desapontador”, acentua. “Por isso, fiquei muito feliz com a proposta do governo. Estar na linha de frente dessa ‘batalha’ será uma experiência profissional, acadêmica e pessoal jamais imaginada”, reforça. 

 

Segundo ela, a Covid-19 veio de forma repentina e revelou, entre outros pontos, a necessidade de o país ter um sistema de saúde robusto e universal. “Também mostrou o quanto somos conectados. Acredito que dificilmente sairemos desta crise da mesma forma que entramos. Espero que nos tornemos mais fortes e mais preparados, sem perder nossa humanidade após essa pandemia passar”, conclui.

 

Lucila, quartanista da Enfermagem

 

Cursando o quarto ano do curso de Enfermagem, Lucila Maria dos Santos Crúz também se inscreveu no “O Brasil conta comigo” e optou por trabalhar em Votorantim, cidade vizinha a Sorocaba (onde está localizado o campus da PUC-SP). 

 

“Após concluir a graduação, tenho a intenção de realizar residência de Enfermagem. O Ministério da Saúde garantiu que iremos receber 10% de pontuação no ingresso para residência”, explica. “Além disso, é uma experiência ímpar para uma estudante ter a possibilidade de adquirir esta vivência profissional”, completa.

 

Lucila acredita que após superada a pandemia, a mobilização atual tornará as pessoas mais conscientes em relação à saúde e, também, à importância dos profissionais da saúde. “Percebo que existe um interesse pela busca de informações fidedignas e um desenvolvimento de pensamento crítico sobre as publicações e de acesso ao conhecimento”, afirma. “Em contrapartida, o isolamento horizontal terá interferência e prejuízo econômico, podendo gerar recessão e desemprego. Dessa forma, devemos levantar outras preocupações para discutir e obter uma resolução”, finaliza.

Compartilhe:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Votorantim registra mais 38 casos de coronavírus, entre eles um óbito

"Temos contas sadias", diz Dini na Ipa FM ao defender permanência de comissionados na Câmara

Crespo ainda não apresentou defesa à comissão; prazo acaba nesta 5ª

BOA NOTÍCIA: Sorocaba não registra morte de Covid-19 nesta quinta-feira

Sorocaba registra 13.531 casos da Covid-19, 315 mortes e 12.719 curados

Com alta de casos de Covid, festas e formaturas de alunos viram problema para escolas