Saúde confirma dois casos de meningite viral em crianças de CEI na Zona Oeste

Foto: Agência Sorocaba

Por Alana Damasceno

A Secretaria de Saúde de Sorocaba confirmou, nesta quinta-feira (5), dois casos de meningite viral em crianças que estudam no CEI (Centro de Educação Infantil) 69, localizada no Jardim Ipiranga, em Sorocaba. Ambas encontram-se em bom estado de saúde e já receberam alta médica.

De acordo com nota oficial enviada pela Secretaria de Comunicação e Eventos, foi feito procedimento preconizado em protocolo do CVE-SP (Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo) e não foi necessária a paralisação de aulas no CEI.

Meningite Viral

É uma infecção causada por vírus que atinge a membrana que envolve a medula espinhal e o cérebro, caracterizada por febre, de início repentino, dor de cabeça, vômitos e rigidez de nuca.

Os recentes casos de meningite viral têmse caracterizado por dor de cabeça persistente, vômitos (às vezes levando à desidratação), febre baixa, dor abdominal, rigidez de nuca em alguns casos, sonolência, sem seqüelas. Entre os possíveis agentes causadores desses casos de Meningite Viral, encontram-se os Enterovírus.

Como se transmite

A transmissão dos Enterovírus pode ser fecal-oral, oral-oral e respiratória. Água e alimentos podem ser veículos de transmissão. O período decorrido entre a exposição ao Enterovírus e o aparecimento dos sintomas é de 7 a 14 dias.

Como prevenir

Limpeza e higiene são fatores primordiais para prevenção da doença, assim como ambientes arejados. Algumas medidas de prevenção e controle:

1. Higiene Pessoal

Lavagem das Mãos com água e sabão. Para uso coletivo o sabão deverá ser preferencialmente líquido, acondicionado em dispensadores de fácil higienização. As mãos deverão ser lavadas: ao chegar no trabalho; antes de preparar, servir ou comer alimentos; depois de usar o banheiro;
depois de ajudar uma criança a usar o banheiro;
depois de trocar uma fralda;
depois de usar as mãos para assoar o nariz, tossir ou espirrar.
Secagem das Mãos: usar toalhas de tecido só se a mesma for individualizada e com trocas diárias; usar toalhas descartáveis para uso coletivo (papel toalha); não usar toalhas úmidas.

OBS: Os manipuladores de alimentos que apresentarem qualquer tipo de irritação de pele ou infecção, deverão ser afastados, temporariamente, de suas funções.

2. Higiene Ambiental:

Manter o ambiente sempre limpo e arejado; lavar e desinfectar os banheiros, no mínimo 2 vezes ao dia, com solução clorada* evitar uso de ar condicionado; dar preferência às atividades em ambientes arejados;
desinfectar pisos, paredes, bancadas, balcões, pias, louças sanitárias com solução clorada.

3. Higiene dos Alimentos e Água:

Lavar e desinfectar os alimentos : frutas e verduras, com solução clorada*.
desinfectar água e reservatórios de água, com solução clorada*.

Monitorar o cloro residual da água tratada para consumo humano (abastecimento público ou poço): A dosagem do cloro residual poderá ser realizada através de um aparelho medidor de cloro e pH. A água deve conter um teor mínimo de cloro residual livre de 0,2 mg/l em qualquer ponto da rede de distribuição (port. MS N.º 1469 de 29/12/2000). O pH deverá ficar situado no intervalo de 7,2 a 8,0.

4. Higiene dos Equipamentos e Utensílios:

Todos os utensílios de uso individual deverão ser cuidadosamente separados, com atenção especial para chupetas, mamadeiras, mordedores e outros; as escovas de dente deverão ser isoladas com protetor plástico individual; evitar uso de bebedouro coletivo à pressão; utilizar filtro/bebedouro para água potável; desinfectar filtros / bebedouros regularmente com solução clorada*; utilizar copos descartáveis armazenados em local protegido; desinfectar liqüidificador, velas de filtro, copos e talheres plásticos (não descartáveis) com solução clorada*.

Para utensílios/equipamentos/ambientes

Uma colher de sopa de água sanitária (com 2% de cloro) para um litro de água limpa ou 100 ml água sanitária (com 2% de cloro) para 10 litros de água limpa.

Lembretes:

A desinfecção com a solução clorada pode ser feita borrifando a superfície, ou deixar o utensílio de molho por 2 minutos; só reutilizar 15 minutos depois; após o uso de panos de cozinha, lavá-los e fervê-los. Usar sempre panos secos.

Fonte: Centro de Vigilância Epidemiológica “Prof. Alexandre Vranjac”

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here