Um residencial em fase de implantação no Jardim Gonçalves voltou a ter as suas obras impedidas de prosseguirem pela Prefeitura de Sorocaba nesta sexta-feira (12). Uma parte do solo construído por meio de terraplanagem cedeu com as últimas chuvas, levando sedimentos de terra e rochas para a área de preservação do Parque Três Meninos, conhecida como Floresta Cultural; e ainda assoreou o córrego Piratininga, aumentando a possibilidade de inundações nas residências próximas.

O secretário de Planejamento e Projetos, Luiz Alberto Fioravante, fez o embargo das obras até que o empreendedor conclua o desassoreamento do córrego e providencie todas as correções necessárias para a construção do empreendimento.

As providências foram tomadas com base em relatório técnico do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), de dezembro de 2017. O prefeito José Crespo (DEM) visitou o local pessoalmente no dia 3 de janeiro, acompanhado por secretários municipais e equipes da Secretaria de Recursos Hídricos; Secretaria de Segurança e Defesa Civil; Secretaria de Conservação, Serviços e Obras; Secretaria de Gabinete Central e dos vereadores Iara Bernardi e Hudson Pessini.

O Departamento de Drenagem do Saae vistoriou o residencial em construção e o córrego do Jardim Piratininga no dia 26 de dezembro. Entre outras várias constatações, apontou que o processo de erosão expôs a rede coletora de esgotos, gerando o risco de rompimento e a contaminação do córrego do Jardim Piratininga.

O Saae constatou trechos inacabados de ruas dentro do futuro residencial que estão direcionando as águas para os taludes (barrancos), promovendo a erosão, o descobrimento de parte da tubulação de esgoto (poços de visita – PVs) e danos à vegetação da área verde. E que as bacias para conter as águas, implantadas no empreendimento são insuficientes, permitindo o carregamento de sedimentos para o córrego.

Diante da situação, a Defesa Civil recomendou providências para o desassoreamento, a fim de reduzir os riscos para as famílias que vivem em residências próximas ao córrego, principalmente na rua Pedro Peres. Recordou que houve a interdição de uma casa que ficou praticamente destruída com essa situação.

Em reunião com o Saae e Seplan, os responsáveis pelas obras no empreendimento assumiram o compromisso de fazer o desassoreamento do córrego, providência que se encontra em andamento.

Para a Seplan, o relatório do Saae, deixa evidente que os danos foram causados pelos serviços executados no empreendimento de forma irresponsável. Diante disso, exige 12 diferentes providências. Entre elas estão: corrigir saias dos taludes (bordas dos barrancos construídos pela terraplanagem); construir muro de arrimo (de escora) em parte do empreendimento; pavimentar uma das ruas; desassorear, desobstruir e reconstruir muro e calçada invadidos pela erosão.

1 Comentário

  1. A obra foi embargada mas ainda continuam trabalhando, nessa manhã de segunda as máquinas continuam trabalhando, um desaforo, alguma autoridade tem que fazer isso parar.

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here