O Sindicato dos Servidores Municipais de Sorocaba (SSPMS) realizará, nesta segunda-feira (5) à noite, uma assembleia para discutir a proposta de reajuste salarial feita pelo prefeito de José Crespo (DEM).

Na proposta, o chefe do Executivo oferece 3% de reposição inflacionária a partir de fevereiro. Porém, o presidente do sindicato, Salatiel Hergesel, adiantou ao Portal Ipa Online que a categoria irá rejeitar o oferecido durante a assembleia desta segunda.

O evento está previsto para ocorrer a partir das 19 horas, no Clube de Campo. Segundo Hergesel, a expectativa é que ao menos 1 mil dos 12 mil servidores da prefeitura compareçam.

Na última quinta-feira (1), o vereador José Francisco Martinez apresentou emenda ao Projeto de Lei 24/2018, no qual concede aos servidores o reajuste de 9,29% sendo 6,29% em fevereiro e o restante, 3%, dividido entre os meses de junho e outubro. Ainda não há data para o PL ser discutido em sessão na Câmara.

Salatiel pontuou que, no momento, mobiliza os servidores para enviar e-mails a Crespo; secretário de Recursos Humanos, Mário Bastos; e ao secretário de Gabinete Central, Eric Vieira; para que o PL não seja vetado pelo prefeito caso aprovado pelos vereadores.

Questionado sobre possibilidade de haver greve, Hergesel apenas limitou-se a dizer que “pode ser que sim”.

Ainda nesta noite, a categoria deve discutir sobre implementação de vale-alimentação, revogação do decreto da compensação dos pontos facultativos de 2018; implementação de kit higiene e aumentos setorizados por carreira e outros benefícios.

Posicionamento dos secretários

Da esquerda para a direita: Deda Benette, Mario Bastos e Eric Vieira / Foto: Alana Damasceno

Nesta segunda, no Jornal da Ipanema, da Rádio Ipanema, dentro da coluna “O Deda Questão”, do jornalista Djalma Benette, estiveram presentes os secretários Bastos e Vieira. De acordo com ambos, a situação do momento é que “não há orçamento para repormos o dissídio passado. O que apresentamos é o dissídio 2017, 2018”.

“Temos que fazer uma proposta com isonomia em todas as carreiras. Essa é a proposta: 3%. Pode haver aumentos pontuais nestas carreiras”, defendeu Vieira. Bastos afirmou que o foco é plano de motivação aos servidores.

“O orçamento do município é extremamente apertado. Os técnicos da Secretaria da Fazenda nos apresentam dados que não nos permitem [reajuste maior]”, voltou a enfatizar Vieira.

1 Comentário

  1. É sempre a mesma desculpa..
    Não tem orçamento… blá, blá, blá…

    Mas pra cargo comissionado que ganha 7, 8, 9, mais de 10mil sem sequer fazer uma prova de concurso público existe orçamento!?

    Pra criar cargos de gestores de área, e assessores técnicos, NA URBES… existe orçamento!?

    Esse país parece que nunca vai mudar.. Sorocaba, Rio de Janeiro, Brasília.. tudo a mesma coisa!
    Só muda o lugar… em qualquer canto do país persiste essa patifaria de favores políticos em troca de cargos de livre nomeação. Se ainda tais cargos tivessem vencimentos mais modestos… ficaria menos difícil de tolerar!

Comments are closed.