Prefeitura diz não renovar contrato com CIES-Global, empresa investigada em CPI

A Prefeitura de Sorocaba não renovará o contrato de procedimentos médicos com o CIES Global – Centro de Integração de Educação e Saúde (Associação Beneficente Ebenezer). A decisão foi tomada na tarde desta terça-feira (12) após o Poder Executivo constatar que a defesa apresentada pela instituição não foi suficiente diante dos 15 apontamentos citados no Relatório de Visita Técnica iniciada no dia 5 de fevereiro de 2018.

No mês de fevereiro, após visita técnica da Central de Regulação da Prefeitura de Sorocaba foram analisados alguns prontuários de pacientes. A equipe fez os apontamentos sobre o faturamento de alguns procedimentos, inclusive sobre questões administrativas. Por esse motivo, a Secretaria de Saúde (SES) determinou que o setor de Auditoria da Saúde realizasse um trabalho de visita técnica para gerar um relatório de conclusão de constatações e medidas necessárias.

Após conclusão do relatório de visita técnica, o documento foi juntado num processo sancionador, que foi enviado à assessoria jurídica da SELC (Secretaria de Licitações e Contratos). O setor emitiu um parecer indicando que o caso deveria ser tratado através de processo sancionador, ou seja, que houvesse uma apuração completa da situação e que a conveniada fosse notificada e providenciasse apresentar a defesa sobre as irregularidades.

A conveniada apresentou a defesa e o conteúdo passou por análise da SES, que optou pela rescisão. De acordo com a Prefeitura de Sorocaba, a atual gestão sempre prezou pela qualidade de assistência e pela fiscalização comprometida com as conveniadas.

Investigação na CPI da ‘Tenda dos Milagres’

O vereador Hudson Pessini (MDB) anunciou semana passada na tribuna da Câmara Municipal de Sorocaba, durante a sessão, a criação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da “Tenda dos Milagres” que vai investigar o trabalho realizado pela Cies Global, que tem um contrato com a Prefeitura e instalou tendas no estacionamento do Centro de Saúde do Jardim São Guilherme.

O motivo da instauração da CPI foi que a vereadora Iara Bernardi (PT), participando de uma reunião do Conselho Municipal de Saúde, recebeu um documento da própria Secretaria da Saúde, informando que em uma auditoria, constava que uma mulher, por exemplo, tinha feito cinco mamografias em um mesmo dia.

No mesmo documento, a auditora recomendava a devolução de quase R$ 20 mil para a Prefeitura, tendo apresentado outros problemas na prestação do serviço. O contrato da Prefeitura com a Cies Global também foi renovado, mesmo apresentando esses problemas.

Já em relação a questão política da CPI, vale ressaltar que até agora a secretária da Saúde, Marina Elaine Pereira, não compareceu à Câmara para apresentar as suas propostas e ideias para a pasta.

O vereador Pessini será o presidente da CPI e a relatoria ficará a cargo do vereador Francisco França (PT). O vereador Luis Santos (PROS) manifestou o desejo de participar da CPI, que terá sua primeira reunião hoje (5), a partir das 14 horas.

1 Comentário

  1. Já tiraram o que tinham que tirar dessa fonte… agora vão terceirizar para criar novas fontes a serem exploradas até que se descubra os ilícitos que com certeza existirão por detrás dessas, como descobriram da CIES. Mas, até lá, muitas cédulas correrão por debaixo da ponte até que as falcatruas venham a público. E continuo estranhando o silêncio do Ministério Público, tanto em relação a novos contratos com imenso potencial fraudulento quanto ao enquadramento dos que se beneficiaram desses ilícitos já descobertos.

Deixe um Comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here

Comment moderation is enabled. Your comment may take some time to appear.